2016, Vol. 2(2): 41-54

PDF

    

Memória e envelhecimento: Qual o real impacto da idade?

 

Artigo Original   

 

Helena Espirito-Santo , Inês Torres Pena , Inês Queiroz Garcia , Catarina Freitas Pires , Margarida Couto , Fernanda Daniel   

 

https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2016.2.2.40

 

Recebido 12 setembro 2016

Aceite 30 setembro 2016

 

 

ÍNDICE

RESUMO

INTRODUÇÃO

MÉTODOS

RESULTADOS

DISCUSSÃO

REFERÊNCIAS

 

TOP

RESUMO

Objetivos. O défice mnésico é uma das alterações cognitivas que mais afeta as pessoas idosas. A idade é considerada um dos fatores de relevo nas alterações de memória, inclusivamente pelas próprias pessoas idosas. A investigação tem mostrado que existem outros fatores além da idade que afetam a memória das pessoas idosas. Contudo, fica por esclarecer qual o real papel da idade sobre a memória quando é controlada a influência de outras variáveis. Assim, o presente estudo pretende analisar o impacto da idade no funcionamento mnésico de pessoas idosas e verificar se, ao controlar o papel de outras variáveis (sexo, escolaridade, profissão, situação civil, situação residencial e situação clínica), esse potencial impacto se mantém.

Métodos. A amostra global foi constituída por 1126 participantes (283 homens e 843 mulheres; 226 residentes na comunidade e 900 em resposta social dirigida à população idosa) com idades compreendidas entre os 60 e os 100 anos. A avaliação foi realizada com recurso aos itens do Mini-Mental State Examination (memória de trabalho), o fator do Montreal Cognitive Assessment (memória declarativa verbal) e Figura Complexa de Rey-Osterrieth (memória visuoespacial).

Resultados. Globalmente, a idade, escolaridade, profissão, situação civil, residencial e clínica influenciaram a memória de forma diferenciada consoante o tipo de memória. As análises de regressão hierárquica mostraram que a idade é um fator preditivo em todos os tipos de memória. Emergiram ainda outros fatores preditivos com coeficientes de regressão superiores à idade conforme o tipo de memória (exceto na memória de trabalho).

Conclusões. A idade, a escolaridade e a profissão influenciam a memória, assim como os fatores que potencialmente estimulam cognitiva e socialmente (como ter um companheiro e residir na comunidade). Os resultados apontam para a importância de intervir em pessoas em respostas sociais, mais idosas, sem companheiro, com baixa escolaridade e profissão manual.

 

Palavras chave: Envelhecimento · Memória · Institucionalização · Características sociodemográficas

 

TOP

INTRODUÇÃO

 

A designação genérica “memória” refere-se à capacidade de reproduzir ou recordar conteúdos experienciados ou aprendidos (Tulving & Craik, 2000). Existem, contudo, muitos tipos de memória e a sua classificação permanece como objeto de discussão e mudança (Schacter, 2012). A memória pode ser classificada pelo seu conteúdo (explícita vs. implícita), duração (curta e longo prazo) e natureza (e.g., verbal, olfativa ou visual) (Cherkin, 1968; Gold & McGaugh, 1975; Squire, 1992; Tulving, 1972). É uma ideia corrente que a memória (genericamente designada) vai diminuindo com a idade e para essa ideia terá contribuído um conjunto vasto de investigação.

Kral (1962) foi um dos primeiros a descrever dois tipos de alterações de memória em pessoas idosas, designando-as por esquecimento senescente benigno e esquecimento senescente maligno. Mais tarde, o esquecimento senescente benigno passou a ser considerado normal e o maligno como a descrição de demência (Larrabee, Levin, & High, 1986). Pela mesma altura, a ideia de que o declínio da memória seria normal no envelhecimento levou à criação da designação de síndrome do défice de memória associado à idade (AAMI; age-associated memory impairment, Crook et al., 1986). Ainda que a AAMI tenha sido definida originalmente como a alteração da memória em pessoas idosas razoavelmente saudáveis (Crook et al., 1986; Hänninen et al., 1995), existem evidências de que a AAMI é uma condição específica não-normal. Assim, a investigação ao longo do tempo tem mostrado que as pessoas com AAMI apresentam pequenas alterações no hipocampo (Mega et al., 2002; Parnetti et al., 1996; Soininen et al., 1994), menor ativação nas regiões parietais mediais (Miller et al., 2008) e um perfil genético diferente (Bartrés-Faz et al., 2001). Para além de a investigação mostrar que a AAMI é diferente do envelhecimento normal, o próprio constructo tem sido fonte de crítica. Em particular, tem sido considerado que a AAMI reflete principalmente o nível educacional (Koivisto et al., 1995) e intelectual (Nielsen, Lolk, & Kragh-Sørensen, 1998).

Acrescente-se que os estudos com pessoas idosas verdadeiramente saudáveis têm indicado que as perdas cognitivas não são consideráveis no envelhecimento normal (Howieson, Holm, Kaye, Oken, & Howieson 1993; Rubin et al., 1998). Entre essas perdas, são descritas as dificuldades em recordar nomes, em “encontrar” palavras e os esquecimentos de tarefas projetadas momentos antes (Craik, 1994).

Considerando, então, que existe um envelhecimento saudável onde as perdas de memória não são substanciais e um envelhecimento não-saudável onde o défice da memória é frequente, nem por isso fica simplificada a compreensão do que acontece à memória no envelhecimento. Na realidade, as evidências de que a memória se altera no envelhecimento variam consoante o tipo de memória avaliada (episódica, semântica, prospetiva, trabalho e outros tipos de memória). Assim, a memória episódica parece ser a que mais declina com a idade (Bäckman, Small, Wahlin, & Larsson, 2000; Nyberg et al., 2003; Rönnlund, Nyberg, Bäckman, & Nilsson, 2005). Nyberg et al. (2003) também concluíram que a memória episódica é sensível à idade, diferentemente da memória semântica que tenderia a resistir ao envelhecimento. Huppert, Johnson e Nickson (2000) verificaram uma maior prevalência de alterações da memória prospetiva na idade avançada. A memória de trabalho parece também alterar-se com a idade (Hultsch, Hertzog, Small, McDonald-Miszczak, & Dixon, 1992; Park et al., 2002; Park & Reuter-Lorenz, 2009). Outros tipos de memória (e.g., memória processual e priming) podem alterar-se muito pouco com o envelhecimento (Bäckman et al., 2000). Para além das mudanças objetivas, há a acrescentar as queixas subjetivas de perda de memória que são também frequentes em pessoas idosas (Slavin et al., 2010; Zandi, 2004).

Descontando a complexidade, se se tiver em linha de conta que as alterações da memória estão entre as alterações cognitivas que mais afetam as pessoas idosas (Bangen et al., 2010; Casanova-Sotolongo, Casanova-Carrillo, & Casanova-Carrillo, 2004; Delis & Kramer, 2000; Slavin et al., 2010; Zandi, 2004), levanta-se então uma questão importante. Se não se considerar a influência da idade (Boone, Lesser, Hill-Gutierrez, Berman, & D’Elia, 1993; Chen & Naveh-Benjamin, 2012; Gallagher & Burke, 2007; Pauls, Petermann, & Lepach, 2013; Old & Naveh-Benjamin, 2008; Rosselli & Ardilla, 1991; Zandi, 2004), quais são os outros fatores envolvidos no défice mnésico das pessoas idosas? O sexo parece ser um desses fatores. Assim, as mulheres idosas parecem ser melhores no que diz respeito à memória verbal (Herlitz, Nilsson, & Bäckman, 1997; Herlitz & Rehnman, 2008; Zahodne et al., 2011; Pauls et al., 2013), com um declínio menos acentuado associado ao envelhecimento (Meinz & Salthouse, 1998). Os homens revelam ainda pior desempenho em provas de associação emocional (Naveh-Benjamin, Maddox, Jones, Old, & Kilb, 2012) e maior declínio em provas de memória de localização de objetos (Maylor et al., 2007). Os homens revelam-se melhores do que as mulheres idosas nas provas que avaliam a memória visual imediata (Rosselli & Ardilla, 1991) e esse predomínio parece relacionar-se com a sua maior capacidade visuoespacial (Pauls et al., 2013). Esse predomínio é revertido quando a memória visual se refere a faces (Herlitz & Rehnman, 2008). Na memória de trabalho, as evidências mostram que não há associação com o sexo (Zahodne et al., 2011).

Outro fator relevante é o nível educacional, com vários trabalhos a mostrar que quanto maior é o nível de escolaridade, menor é a perda de memória (Jonker, Geerlings, & Schmand, 2000; Elias, Elias, D’Agostino, Silbershatz, & Wolf, 1997; Lövdén et al., 2004; Rönnlund et al., 2005; Rosselli & Ardilla, 1991; Schneeweis, Skirbekk, & Winter-Ebmer, 2014; Tucker-Drob, Johnson, & Jones, 2009). Com evidências adicionais a sugerir que o nível educacional se relaciona com o défice, mas não com o declínio mnésico (Zahodne et al., 2011).

No seguimento do fator anterior, a ocupação prévia é outro aspeto que parece associar-se ao desempenho cognitivo, especialmente em homens idosos (Potter, Helms, & Plassman, 2008), com esses efeitos a atenuarem-se após a reforma (May, 2011). No mesmo sentido, as atividades cognitivas passadas mais estimulantes mostraram-se associadas a declínio mais lento da memória episódica e semântica (revisão de Bennet et al., 2012).

Curiosamente, o estado civil também aparece como fator protetor. Ainda que não seja referida a memória, Håkansson et al. (2009) verificaram que os indivíduos casados ou a viverem em união de facto tinham metade do risco de vir a desenvolver problemas a nível cognitivo em relação aos indivíduos solteiros, divorciados ou viúvos. Conroy, Golden, Jeffares, O'Neill e McGee (2010) e Shankar, Hamer, McMunn e Steptoe (2013) encontraram também um pior funcionamento cognitivo naqueles que, para além de não serem casados, viviam sozinhos. Num nível de gravidade superior, a ausência de companheiro parece ser fator de risco de desenvolvimento de demência (Bickel & Cooper, 1994; Fratiglioni, Wang, Ericsson, Maytan, & Winblad, 2000).

Para terminar os fatores sociodemográficos, um estudo realizado por Winocur (1982) revelou a existência de mais problemas da memória em pessoas idosas que residiam em Estruturas Residenciais para Idosos comparados com os que viviam nas suas casas. No estudo mais recente de Fastame, Hitchcott, Penna e Murino (2016), os dados foram noutro sentido: não houve diferenças significativas entre residentes em Estruturas Residenciais para Idosos e idosos residentes na comunidade em várias medidas referentes à memória de trabalho (verbal, visual e de dígitos).

Outros fatores são de ordem clínica. Por exemplo, um estudo (Comijs et al., 2009) reportou défice da memória verbal em doentes idosos que sofreram de acidente vascular cerebral (AVC) e, inversamente, melhoria de memória em pessoas idosas com doença cardíaca ou com cancro face ao seu estado prévio. Em pessoas idosas com diabetes, os mesmos autores verificaram declínio na evocação diferida. Hassing et al. (2004) verificaram associação similar em pessoas idosas com diabetes comórbida com hipertensão. Para terminar a revisão dos fatores clínicos, a informação relativa à influência da medicação não se tem relevado consistente (Plassman, Williams, Burke, Holsinger, & Benjamin, 2010).

Em síntese, a idade é um fator incontornável no défice mnésico, mas será que é um fator significativo quando se entra em linha de conta com outros fatores sociodemográficos e clínicos? Assim, os objetivos do presente estudo são: a) verificar qual a influência das variáveis sociodemográficas e clínicas ao nível do funcionamento mnésico em pessoas idosas de uma amostra portuguesa; b) verificar qual o efeito da idade no funcionamento mnésico ao controlar o papel das restantes variáveis.

 

TOP

MÉTODOS

Plano de estudo

O estudo teve um delineamento transversal com amostragem de conveniência. As variáveis dependentes foram a memória de trabalho, memória declarativa verbal, memória visuoespacial imediata e diferida. As variáveis independentes foram a idade [contínua e dicotomizada pela mediana (Md = 80 anos)], o sexo, a escolaridade (contínua e dicotomizada em com e sem escolaridade), a profissão (manual ou intelectual), o estado civil [sem companheiro (solteiro, separado, divorciado e viúvo) e com companheiro (casado e união de facto)]; a situação residencial (comunidade vs. resposta social institucional) e a situação clínica geral (sem doença neurológica vs. com doença neurológica). A institucionalização em resposta social incluiu estruturas residenciais para idosos (lares), centros de dia e centros de noite. Apesar da heterogeneidade das categorias de doença incluídas nas condições clínicas, optou-se por manter todos os sujeitos. A manutenção de todos os sujeitos foi uma forma de respeitar a realidade da amostra recolhida e uma necessidade para a realização de algumas análises estatísticas, pois algumas categorias clínicas continham poucos participantes.

Participantes

Em consonância com os objetivos deste estudo, foram selecionados participantes da amostra total do projeto Trajetórias do Envelhecimento de Idosos em Resposta Social (TEIRS) que englobava 1611 pessoas idosas. Os únicos critérios de seleção foram a idade superior a 60 anos, a ausência de afasia e a não recusa de participação no estudo.

Instrumentos

O Mini-Mental State Examination (MMSE; Folstein, Folstein, & McHugh, 1975) é um instrumento de breve aplicação (demora cerca de 10 a 15 minutos), de fácil administração e cotação (Strauss, Sherman, & Spreen, 2006). O MMSE tem como objetivo diferenciar doentes neurológicos de doentes psiquiátricos (Lobo et al., 1999), sendo dos instrumentos de avaliação breve do défice cognitivo mais utilizados. Está adaptado à população portuguesa por Guerreiro, Silva, Botelho, Leitão, Castro-Caldas e Garcia (1994). O MMSE é constituído por uma série de perguntas e tarefas que se agrupam em onze categorias: orientação temporal, orientação espacial, retenção, atenção/controlo mental, evocação, nomeação, repetição, compreensão, leitura, escrita e habilidade construtiva (Folstein et al., 1975). O MMSE, consoante a população clínica, revela uma boa consistência interna (0,54 a 0,96) e boa confiabilidade teste-reteste (0,80 a 0,95) (Tombaugh & McIntyre, 1992). Na presente investigação, foi utilizada somente a pontuação compósita resultante do somatório dos itens que avaliam a memória de trabalho (retenção e evocação; MMSE-MEMO), podendo a sua pontuação total variar entre o zero (pior memória) e os seis pontos (melhor memória) (Pascual-Millán, Fernández, Saz, Lobo, & Morales-Asín, 2000; Shigemori, Ohgi, Okuyama, Shimura, & Schneider, 2010).

O Montreal Cognitive Assessment (MoCA; Nasreddine et al., 2005) é um instrumento breve de rastreio cognitivo (aproximadamente 10 minutos). O MoCA avalia diferentes domínios cognitivos, através de diversas tarefas: funções executivas, capacidades visuoconstrutivas, memória, atenção e concentração, linguagem, capacidade de abstração, cálculo e orientação. A pontuação máxima deste instrumento é de 30 pontos. É considerada normal uma pontuação igual ou superior a 26 pontos (Guerreiro, 2010). As propriedades psicométricas da versão original revelaram-se boas, com a escala a apresentar um alfa de Cronbach de 0,83 e um teste-reteste elevado (r = 0,92) (Nasreddine et al., 2005). Na presente investigação, recorreu-se somente ao fator memória que inclui os itens Evocação Diferida (recordar palavras apresentadas anteriormente), Repetição de Dígitos invertidos, Nomeação de três animais selvagens, Repetição de frases e Orientação temporal (dia do mês, mês, ano, dia da semana) e espacial (lugar e localidade) (Duro, Simões, Ponciano, & Santana, 2010). De acordo com a definição de Tulving (1972), podemos considerar que este fator se aproxima do conceito de memória semântica (recordação de acontecimentos gerais associados a uma determinada cultura e aprendidos como forma de conhecimento) e de memória episódica (memória de acontecimentos específicos) ou memória declarativa verbal (Tulving, 1995). O conjunto dos itens no presente estudo obteve um alfa de Cronbach de 0,70 (consistência interna aceitável para instrumentos hetero-administrados; Peterson, 1994).

O teste da Figura Complexa de Rey-Osterrieth (FCR-O, Rey, 1941; 2002) é uma prova neuropsicológica desenvolvida por Rey (1941) e padronizado por Osterrieth (1944). A FCR-O foi concebida para avaliar estratégias de resolução de problemas, planeamento, capacidades organizacionais, funções motoras, perceção e memória visuoespacial (Meyers & Meyers, 1995; Lezak, Howieson, Biegler, & Tranel, 2012). A FCR-O é constituída por três provas: cópia, memória imediata (3 minutos; FCR-O-3MIN) e memória diferida (20-30 minutos; FCR-O-20MIN). Neste estudo usou-se a prova da memória imediata e da memória diferida. No primeiro momento (cópia) a imagem foi apresentada horizontalmente ao sujeito, para que ele copiasse. No segundo momento, solicitou-se a realização da imagem de memória (evocação), sem aviso prévio. No terceiro momento, passados 20 minutos, foi solicitado que fosse novamente produzido de memória o desenho da FCR-O. A correção e cotação da prova teve como critério o método definido por Osterrieth (1944) que avalia, quer a forma como o sujeito constrói a cópia (da mais racional para a menos racional), quer a pontuação global. A pontuação global da prova varia entre os 0 pontos e os 36 pontos, sendo os pontos obtidos consoante a construção dos 18 elementos da figura (Rey, 2002). No presente estudo o teste obteve uma elevada concordância entre juízes na prova da cópia (α = 0,98; p < 0,001) e uma consistência interna também elevada (α de Cronbach = 0,93).

Utilizou-se a Entrevista Estruturada de Avaliação da Saúde Física do Idoso para recolha de dados sobre a saúde física. Esta entrevista, desenvolvida para o TEIRS, engloba seis grupos de perguntas. O primeiro grupo é respeitante à saúde em geral e inclui seis questões de resposta dicotómica (febre, dor, exercício físico, tabagismo, consumo de álcool, internamento ou intervenção cirúrgica) e seis perguntas abertas sobre situações graves de saúde física (enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, traumatismo cranioencefálico ou outros) e presença de doenças específicas (hipertensão, diabetes ou outras). O segundo grupo é relativo à visão e audição; o terceiro sobre sintomatologia cardiovascular; o quarto sobre sintomatologia geniturinária; o quinto sobre sintomatologia respiratória e o sexto sobre sintomatologia neurológica (e.g., cefaleias, tremores, tonturas).

Procedimentos

A presente investigação fez parte integrante do TEIRS do Instituto Superior Miguel Torga. O principal objetivo do TEIRS consiste no rastreio e avaliação cognitiva de pessoas idosas que se encontram sob resposta social no distrito de Coimbra. O TEIRS incluiu, desde 2012, pessoas idosas não institucionalizadas e, desde 2013, foi alargado aos distritos de Leiria e da Guarda.

Após a aprovação do pedido pelas várias instituições de resposta social para idosos, cada pessoa idosa ou uma pessoa significativa para o idoso cedeu o consentimento informado para a administração de uma bateria de testes e para a consulta do seu processo clínico. Para a participação não houve qualquer compensação monetária e o potencial mal-estar foi minimizado pela disponibilidade dos investigadores em darem espaço aos idosos para expressarem dificuldades ou problemas. A bateria, dividida por várias sessões, era constituída por um questionário sociodemográfico e instrumentos de avaliação cognitiva (e.g., Mini-Mental State Examination), emocionais (e.g., Geriatric Anxiety Inventory), comportamentais (e.g., Questionário sobre o Sono na Terceira Idade) e duas entrevistas, uma sobre saúde física e outra sobre saúde mental.

Neste estudo analisaram-se os dados recolhidos através do Mini-Mental State Examination, Montreal Cognitive Assessment e Figura Complexa de Rey-Osterrieth. Os dados clínicos foram obtidos do cruzamento entre a informação retirada dos processos clínicos individuais e da Entrevista Estruturada de Avaliação da Saúde Física do Idoso. Todos os princípios éticos estabelecidos na declaração de Helsínquia foram cumpridos (World Medical Association, 2013).

Análise Estatística

Para a análise e tratamento de dados utilizou-se o Programa Estatístico Statistical Package for the Social Sciences (IBM SPSS Statistics, versão 24.0).

Na caracterização da amostra foram feitas análises descritivas seguidas do teste de qui-quadrado da aderência para testar se as proporções das categorias das variáveis sociodemográficas eram homogéneas. No estudo descritivo das variáveis dependentes, determinaram-se as médias (M), desvios padrão (DP), medianas (Md) e percentis 25 e 75 (P25, P75).

Para a tomada da decisão estatística, procedeu-se ao estudo da normalidade da distribuição de pontuações das variáveis dependentes através do teste Kolmogorov-Smirnov (KS). Neste teste, sempre que foi indicada a presença de não-normalidade (p < 0,05), comum em amostras grandes (Pallant, 2011), recorreu-se à confirmação através da análise da curtose (Ku) e assimetria (Sk). Foram considerados indicadores de normalidade os valores absolutos de curtose inferiores a 7 e de simetria inferiores a 2, tal como sugerido por Kim (2013) para amostras de dimensão superior a 300. Nas situações em que a dimensão da amostra se situou entre 50 e 300, considerou-se o valor de z inferior a 3,29 para curtose e assimetria (Kim, 2013).

De seguida, verificou-se se existiam diferenças na memória entre os grupos definidos pelas variáveis sociodemográficas e situação clínica geral recorrendo ao teste t de Student para amostras independentes. Para se diminuir o erro do tipo I, aplicou-se a correção de Bonferroni que consistiu na divisão do nível do alfa (α = 0,05) pelo número de testes t utilizados (m = 4) (Maroof, 2012).

A interpretação da magnitude nas diferenças (d de Cohen) seguiu a revisão de Espirito-Santo e Daniel (2015, p. 9; insignificante: d < 0,20; pequeno: d = 0,20; médio: d = 0,50; grande: d = 0,80; muito grande: d > 1,29).

Por fim, para estudar o papel preditivo da variável idade controlando a influência potencial das restantes variáveis sociodemográficas, procedeu-se a regressões múltiplas hierárquicas, constituindo as pontuações relativas à memória como variáveis de resposta.

Poder estatístico

Todos os testes estatísticos obtiveram poder estatístico adequado, considerando a dimensão dos grupos definidos pela variável situação residencial e pela variável situação clínica, o número de respostas aos testes e um erro de probabilidade alfa de 0,05 (teste de qui-quadrado da independência: 100%; teste t de amostras independentes: > 99,9%; regressões múltiplas: > 99,8%) (Buchner, Erdfelder, Faul, & Lang, 2014; Chang, 2013; Faul, Erdfelder, Lang, & Buchner, 2007).

 

TOP

RESULTADOS

 

 

Análises preliminares

Características sociodemográficas e clínicas da amostra. Sessenta e sete pessoas (4,2%) recusaram-se a ser avaliadas através dos instrumentos incluídos no estudo presente. Seguindo os critérios de inclusão, a amostra total ficou constituída por 1126 participantes (69,9%) com idades compreendidas entre os 60 e os 100 anos, sendo a maioria do sexo feminino (74,9%), com algum tipo de escolaridade (75,7%; média de anos de estudo: 3,75 ± 3,63), tendo exercido uma profissão predominantemente manual (81,7%), sem companheiro (71,5%) e em resposta social institucional (80,0%) (Tabela 1). As proporções de cada categoria sociodemográfica (com exceção da idade) não foram idênticas (p < 0,05).

Em termos clínicos, não se obteve informação de 500 (44,4%) idosos por simultaneamente não ser possível aceder ao processo e os idosos não saberem responder.

A informação clínica de 406 (36,1%) pessoas indiciava ausência de doença neurológica, ainda que sofressem de algum problema médico (Hipertensão: n = 144; 12,8%; Diabetes: n = 129; 11,5%; Depressão: n = 17; 1,5%; Perturbação de ansiedade generalizada: n = 18; 1,6%; Dificuldades visuais ou auditivas: n = 16; 1,4%; Outras condições não especificadas: n = 82; 7,3%).

 

 

 

TABELA 1                  

Caracterização Sociodemográfica de uma Amostra de Pessoas Idosas da Região Centro

 

 

 

Total

χ²

 

 

n

%

 

 

Sexo

Masculino

283

25,1

278,51***

 

 

Feminino

843

74,9

 

 

Idade

Novos Velhos

583

51,8

3,48NS

 

 

Velhos Velhos

521

46,3

 

 

Não sabe

22

2,0

 

 

M ± DP

78,81 ± 8,52

 

 

Escolaridade

Nenhuma

266

23,6

307,15***

 

 

> 4 anos

852

75,7

 

 

Sem informação

8

0,7

 

 

M ± DP

3,75 ± 3,63

 

 

Profissão

Manuala

920

81,7

527,25***

 

 

Intelectuala

164

14,6

 

 

Sem informação

42

3,7

 

 

Estado civil (companheiro)

S/ companheiro

804

71,4

208,41***

 

 

C/ companheiro

320

28,4

 

 

Sem informação

2

0,2

 

 

Situação residencial

Comunidade

225

20,0

405,84***

 

 

Instituição

901

80,0

 

 

Nota. M = média; DP = desvio-padrão; χ² = Qui-Quadrado da aderência; t = teste t de Student.  NSNão-significativo; *p < 0,05; **p < 0,01; ***p < 0,001. a Estas expressões designam profissões predominantemente manuais ou intelectuais.

 

 

 

Registaram-se 220 (19,5%) pessoas com doença neurológica (Doença de Alzheimer: n = 40; 3,6%; AVC: n = 126; 11,2%; Doença de Parkinson: n = 14; 1,2%; Demência frontotemporal: n = 1; 0,08%; Esclerose múltipla: n = 2; 0,2%; Epilepsia: n = 5; 0,4%; Outras doenças neurológicas não especificadas: n = 37; 3,3%).

Descritivas. Responderam 1028 pessoas ao MMSE-MEMO (omissos: n = 98; 8,7%; 2 por recusa e os restantes por não ter sido aplicado por questões logísticas). A média foi de 4,25 (DP = 1,47; min = 0; máx = 6; P25 = 3; Md = 4; P75 = 6; KS = 0,24, p < 0,001; Ku = 1,68; Si = -1,30).

No MoCA-MEMO houve 937 respostas (omissos por não aplicação: n = 189; 16,8%). A média foi de 8,79 (DP = 4,32; min = 0; máx = 18; P25 = 6; Md = 9; P75 = 12; KS = 0,07, p < 0,001; Ku = -0,78; Si = -0,01).

Na FCR-O-3MIN houve 471 respostas (omissos por não aplicação: n = 328; 29,1%; por recusa: n = 327; 29,0%). A média foi de 7,62 (DP = 7,67; min = 0; máx = 33; P25 = 1,00; Md = 5,00; P75 = 12,00; KS = 0,11, p < 0,001; Ku = -0,83; Si = 0,41).

Por fim, na FCR-O-20MIN responderam 237 pessoas (não aplicados: n = 323; 28,7%; recusa: n = 566; 50,3%). A média foi de 10,39 (DP = 8,17; min = 0; máx = 36; P25 = 3,5; Md = 9,5; P75 = 16,5; KS = 0,13, p < 0,001; Ku = -0,53; Si = 0,52).

Influência das variáveis sociodemográficas e clínicas

As diferenças entre as pontuações médias dos testes que avaliam a Memória pelos grupos definidos pelas variáveis sociodemográficas são apresentadas na Tabela 2. Como se pode verificar, a idade, a profissão e a situação residencial exerceram influência estatisticamente significativa sobre todos os tipos de memória. O sexo só mostrou influência sobre as pontuações do MoCA-MEMO. A escolaridade influenciou os resultados das várias medidas da memória, com exceção da MMSE-MEMO (p > 0,0125). Por fim, o estado civil afetou as pontuações obtidas no MoCA-MEMO e na FCR-O-3MIN.

 

 

 

TABELA 2

Diferenças nos Vários Tipos de Memória entre os Grupos Definidos pelas Variáveis Sociodemográficas e Situação Clínica Geral

 

 

 

MMSE-MEMO

MoCA- MEMO

FCR-O-3MIN

FCR-O-20MIN

 

 

Idade (t, d)

6,00*

0,45d

10,24*

0,76dd

7,85*

0,80ddd

2,88*

0,38d

 

 

Novos Velhos (M, DP)

4,59

1,33

10,44

4,23

10,25

8,38

12,12

8,80

 

 

Velhos Velhos (M, DP)

3,94

1,56

7,32

3,77

3,95

6,05

7,44

7,16

 

 

Sexo (t, d)

0,13

0,00

2,54*

0,17

1,19

0,12

0,61

0,00

 

 

Masculino (M, DP)

4,29

1,45

9,64

4,30

8,71

8,14

11,76

8,57

 

 

Feminino (M, DP)

4,28

1,49

8,69

4,36

7,53

8,18

10,82

8,72

 

 

Escolaridade (t, d)

2,53

0,18

10,96*

0,93ddd

12,627*

2,07ddd

10,82*

4,55ddd

 

 

Não (M, DP)

4,04

1,55

6,19

3,23

1,21

2,22

1,20

1,44

 

 

> 4 anos (M, DP)

4,37

1,44

9,73

4,30

8,87

8,27

11,47

8,60

 

 

Profissão (t, d)

6,24*

0,54dd

10,13*

0,81ddd

9,40*

1,22ddd

4,77*

0,81ddd

 

 

Manuala (M, DP)

4,16

1,49

8,21

4,09

5,53

6,74

8,30

7,61

 

 

Intelectuala (M, DP)

4,94

1,19

12,27

3,68

14,29

8,45

14,83

8,74

 

 

Companheiro (t, d)

1,93

0,14

6,37***

0,50dd

4,63***

0,41d

2,53*

0,27d

 

 

Não (M, DP)

4,20

1,46

8,25

4,18

6,38

7,02

9,17

7,86

 

 

Sim (M, DP)

4,40

1,49

10,22

4,37

9,89

8,30

11,84

8,34

 

 

Residência (t, d)

6,71*

0,53dd

18,38*

1,41ddd

9,98*

1,19ddd

4,38*

0,15

 

 

Comunidade (M, DP)

4,87

1,25

12,91

3,00

12,98

8,19

13,32

8,52

 

 

Instituição (M, DP)

4,10

1,50

7,65

3,94

4,56

6,23

7,43

7,64

 

 

Doença

neurológica (t, d)

4,66***

0,39d

4,19***

0,38d

3,91***

0,54dd

1,36

0,25d

 

 

Não (M, DP)

4,49

1,37

9,40

4,26

9,10

8,28

10,96

8,43

 

 

Sim (M, DP)

3,93

1,55

7,81

4,28

5,14

6,55

8,52

8,17

 

 

Nota. M = média; DP = desvio-padrão; t = teste t de Student; d = d de Cohen; MMSE-MEMO = Memória de trabalho medida pelo Mini-Mental State Examination; MoCA-MEMO = memória declarativa verbal avaliada pelo Montreal Cognitive Assessment; FCR-O-3MIN = Memória visual imediata avaliada pela Figura Complexa de Rey-Osterrieth; FCR-O-20MIN = Memória visuoespacial diferida avaliada pela Figura Complexa de Rey-Osterrieth. *Diferenças significativas no nível de 0,0125 (ajustamento de Bonferroni); dd = pequeno; ddd = médio; dddd = grande (tamanho do efeito). a Estas expressões designam profissões predominantemente manuais ou intelectuais.

 

 

A situação clínica mostrou uma influência estatisticamente significativa com magnitude pequena a média sobre todos os tipos de memória, exceto a memória visuoespacial diferida.

De forma a podermos comparar as diferentes pontuações entre as quatro provas pelas duas categorias de idade, convertemos as pontuações não-padronizadas em valores z [z = pontuação - M) / DP] e depois em valores T (T = z x 10 + 50). Na Figura 1 são apresentadas as médias das pontuações T de cada uma das provas da memória.

 

[Clique aqui para abrir]

Figura 1. Desempenho em Provas Neuropsicológicas da Memória (em pontuações T) de pessoas Idosas. Notas: MMSE-MEMO = memória de trabalho do Mini-Mental State Examination; MoCA-MEMO = memória declarativa verbal do Montreal Cognitive Assessment. FCR-O = memória visuoespacial imediata (3MIN) e diferida (20Min) da Figura Complexa de Rey-Osterrieth.

 

Considerando os valores reportados na Tabela 2 e consoante as provas, controlou-se a influência significativa das variáveis independentes para testar o papel preditivo da idade na memória através de análises de regressão múltipla. Estas análises foram efetuadas depois de confirmados os pressupostos da regressão (n > 82 e n > 90; ausência de multicolinearidade entre as variáveis independentes (correlações entre si inferiores a 0,5; valores de tolerância acima de 0,10; VIF inferiores a 10 e ausência de valores extremos).

Na Tabela 3 são apresentados os preditores da MMSE-MEMO.

 

 

 

TABELA 3

Regressão Múltipla Hierárquica predizendo a Memória de Trabalho Avaliada pelo Mini-Mental State Examination (MMSE-MEMO) e Correlaçõesa entre a Memória de Trabalho, Profissão, Situação Residencial, Situação Clínica e Idade

 

 

 

MMSE-MEMO

1

2

3

4

β

beta

 

 

1. Profissão

0,19***

 

 

 

0,47

0,12***

 

 

2. Situação residencial

0,20***

0,37***

 

 

0,26

0,07*

 

 

3. Situação Clínicab

-0,03

0,003

-0,21***

 

0,00

0,01

 

 

4. Idade

-0,25***

-0,26***

-0,46***

-0,08**

-0,03

-0,18***

 

 

Nota. β = Peso matemático de cada variável no modelo de regressão; beta = contribuição única de cada variável; R2 = Coeficiente de Determinação; ΔR2 = Alteração do Coeficiente de Determinação; F = ANOVA. aAs correlações com as variáveis nominais foram ponto-bisseriais e com a idade foram de Pearson.  *p < 0,05; ***p < 0,001.

 

 

Quanto aos preditores da MMSE-MEMO, no Bloco 1, depois de inseridas as variáveis independentes (profissão, situação residencial e situação clínica geral), o modelo total explicou 23,4% da variância. No Bloco 2, o modelo como um todo explicou 28,4%, com a idade a explicar uns adicionais 2,6% da variância. Este contributo foi estatisticamente significativo [F(4, 995) = 21,77; p < 0,001). As variáveis independentes que predisseram significativamente as pontuações na MMSE-MEMO foram, por ordem de importância, a idade (beta = -0,18; p < 0,001), a profissão prévia (beta = 0,12; p < 0,01) e a situação residencial (beta = 0,07; p < 0,05).

Quanto aos preditores do MoCA-MEMO (Tabela 4), entraram no Bloco 1 o sexo, escolaridade, profissão, estado civil, situação residencial e situação clínica geral que explicaram 56,4% da variância. No Bloco 2, com a inclusão da idade, o modelo no total explicou 58,6%. O total da variância do MoCA-MEMO explicada pela idade, depois de remover os efeitos das restantes variáveis independentes, foi de 2,6%, com contributo estatisticamente significativo [F(7, 907) = 67,87; p < 0,001]. No modelo final, as variáveis com um contributo individual significativo (p < 0,001) foram, por ordem de importância, a escolaridade (beta = 0,30), a situação residencial (beta = 0,23) e a idade (beta = -0,19).

 

 

 

TABELA 4

Regressão Múltipla Hierárquica predizendo a Memória Declarativa Verbal Avaliado pelo Montreal Cognitive Assesment (MoCA-MEMO) e Correlaçõesa entre o Memória Declarativa Verbal, Sexo, Escolaridade, Profissão, Estado civil, Situação Residencial, Situação Clínica e Idade

 

 

 

MoCA-MEMO

1

2

3

4

5

6

7

β

beta

 

 

1. Sexo

-0,08**

 

 

 

 

 

 

-0,50

-0,05

 

 

2. Escolaridade

0,49***

-0,08**

 

 

 

 

 

0,36

0,30***

 

 

3. Profissão

0,35***

-0,01

0,57***

 

 

 

 

0,55

0,05

 

 

4. Estado civil

0,20***

-0,21***

0,21***

0,13***

 

 

 

-0,08

-0,01

 

 

5. Situação residencial

0,45***

0,01

0,42***

0,37***

0,34***

 

 

2,44

0,23***

 

 

6. Situação Clínicab

0,02

< 0,01

< 0,01

0,03

0,03

< 0,01

 

< 0,01

< 0,01

 

 

7. Idade

-0,41***

0,03

-0,36***

-0,26***

-0,29***

-0,46***

-0,08**

-0,10

-0,19***

 

 

Nota. β = Peso matemático de cada variável no modelo de regressão; beta = contribuição única de cada variável; R2 = Coeficiente de Determinação; ΔR2 = Alteração do Coeficiente de Determinação; F = ANOVA. aAs correlações com as variáveis nominais foram ponto-bisseriais e com as restantes foram de Pearson. *p < 0,05; **p < 0,001; ***p < 0,001.

 

 

Na FCR-O-3MIN (Tabela 5), a escolaridade, profissão, situação residencial e situação clínica geral entraram no Bloco 1, explicando 56,8% da variância. No Bloco 2, com a inclusão da idade, o modelo no total explicou 60,0%. O total da variância do FCR-O-3MIN explicada pela idade, depois de remover os efeitos das restantes variáveis independentes, foi de 3,7%, sendo o seu contributo estatisticamente significativo [F(5, 442) = 49,56; p < 0,001]. No modelo final, as variáveis com um contributo individual significativo (p < 0,05) foram, por ordem de importância, a escolaridade (beta = 0,25), a idade (beta = 0,22) e a situação residencial (beta = 0,18).

 

 

 

TABELA 5

Regressão Múltipla Hierárquica predizendo a Memória Visuoespacial Imediata Avaliada pela Figura Complexa de Rey-Osterrieth de 3 Minutos Após Cópia (FCR-O-3MIN) e Correlaçõesa entre a Memória Visual Imediata, Escolaridade, Profissão, Situação Residencial, Situação Clínica e Idade

 

 

 

FCR-O-3MIN

1

2

3

4

5

β

beta

 

 

1. Escolaridade

0,49***

 

 

 

 

0,49

0,25***

 

 

2. Profissão

0,42***

0,57***

 

 

 

0,42

0,15***

 

 

3. Situação residencial

0,44

0,42***

0,37***

 

 

0,44

0,18***

 

 

4. Situação clínica

0,02

< 0,01

0,03

< 0,01

 

0,02

< 0,01

 

 

5. Idade

-0,43***

-0,36***

-0,26***

-0,46***

-0,08**

-0,43

-0,22***

 

 

Nota. β = Peso matemático de cada variável no modelo de regressão; beta = contribuição única de cada variável; R2 = Coeficiente de Determinação; ΔR2 = Alteração do Coeficiente de Determinação; F = ANOVA. aAs correlações com as variáveis nominais foram ponto-bisseriais e com as restantes foram de Pearson. *p < 0,05; **p < 0,001; ***p < 0,001.

 

 

Na FCR-O-20MIN (Tabela 6), foram introduzidas a escolaridade, profissão e situação residencial no Bloco 1 que explicaram 52,0% da variância. A idade foi inserida no Bloco 2, ficando o modelo no total a explicar 56,8%. Depois de remover os efeitos das restantes variáveis independentes, o contributo individual da idade sobre a variância total do FCR-O-20MIN foi de 5,3%, sendo estatisticamente significativo [F(4, 209) = 24,94; p < 0,001]. No modelo final, as variáveis com um contributo individual significativo (p < 0,05) foram, por ordem de importância, a escolaridade (beta = 0,38) e a idade (beta = -0,26).

 

 

 

TABELA 6

Regressão Múltipla Hierárquica predizendo a Memória Visuoespacial Diferida Avaliada pela Figura Complexa de Rey-Osterrieth de 20 Minutos Após Cópia (FCR-O-20MIN) e Correlaçõesa entre a Memória Visual Diferida, Escolaridade, Profissão, Situação Residencial e Idade

 

 

 

FCR-O-20MIN

1

2

3

4

β

beta

 

 

1. Escolaridade

0,50***

 

 

 

0,71

0,38***

 

 

2. Profissão

0,34***

0,58***

 

 

0,49

0,03

 

 

3. Situação residencial

0,28***

0,28***

0,30***

 

0,95

0,06

 

 

4. Idade

-0,42***

-0,32***

-0,30***

-0,42***

-0,25

-0,26***

 

 

Nota. β = Peso matemático de cada variável no modelo de regressão; beta = contribuição única de cada variável; R2 = Coeficiente de Determinação; ΔR2 = Alteração do Coeficiente de Determinação; F = ANOVA. aAs correlações com as variáveis nominais foram ponto-bisseriais e com as restantes foram de Pearson. ***p < 0,001.

 

 

 

TOP

DISCUSSÃO

Em resposta à nossa questão de partida, a idade avançada revelou-se um fator preditor de piores pontuações em várias provas que avaliam a memória. Contudo, quando se controla o papel de outros fatores, o seu contributo explicativo revela-se pequeno, ainda que se mantenha estatisticamente significativo.

Para responder a esta questão realizaram-se um conjunto de análises que merecem ser debatidas em cada tipo de memória separadamente.

Memória de trabalho

Quando se considera a memória de trabalho medida pelo Mini-Mental State Examination verifica-se que a maioria (75%) dos participantes tem pontuações superiores a 3 pontos, com 25% a ter pontuações de 6 num total possível de seis pontos. Estes resultados suportam a noção de que há pessoas idosas cujas perdas cognitivas não são substanciais no que respeita à memória (Howieson et al., 1993; Rubin et al., 1998).

As variáveis que, no presente estudo, se evidenciam como influenciadoras deste tipo de memória são a idade, profissão e situação residencial.

Não ignorando o acima mencionado, a influência da idade sobre este tipo de memória é suportada por outros estudos (Hultsch et al., 1992; Park et al., 2002; Park & Reuter-Lorenz, 2009; Zahodne et al., 2011), confirmando a ideia de que há pessoas idosas cujo envelhecimento cognitivo não é saudável.

O papel da profissão prévia não foi descrito em pesquisas anteriores em relação a este tipo de memória. Ainda assim, pode supor-se que os idosos que tiveram ocupações de caráter intelectual se mantenham envolvidos em atividades presentes mais estimulantes, pelo que a sua memória de trabalho se mantém ativa e por isso mais preservada.

 Numa pesquisa recente sobre o papel da situação residencial, ao contrário do estudo presente, os autores não encontraram diferenças entre os dois tipos de situação residencial em várias medidas referentes à memória de trabalho (Fastame et al., 2016). Uma vez que os autores trabalharam com uma amostra total de 30 pessoas idosas, residentes numa zona azul (zona de grande longevidade) e que não apresentaram as médias, só indicando valores de ANOVAs, não é possível comparar de forma precisa os resultados de ambos os estudos. Assim, pode supor-se que os idosos portugueses que residem na comunidade tenham mais estímulos cognitivos do que os que se encontram em resposta social institucional do âmbito da Segurança Social, pelo que a sua memória de trabalho se mantém ativa e por isso mais preservada. Em reforço desta ideia, apesar do estudo anterior de Torres Pena (2014) não ser representativo da população idosa residente na comunidade do concelho de Coimbra, mostrou que vários idosos praticavam exercício em grupo ou participavam em atividades de Universidades Sénior, tendo, assim, mais oportunidades de estimulação psicológica, física e relacional.

Ficam agora por debater os fatores que não influenciam este tipo de memória. A ausência da influência da escolaridade na memória de trabalho não é apoiada pelo estudo de Zahodne et al. (2011), ainda que estes autores tenham trabalhado com um índice compósito que incluía a construção de frases, nem pelo estudo de Schneeweis et al. (2014). O facto de a escolaridade não ter um papel na memória de trabalho em pessoas idosas é um resultado que não é expectável à luz do conceito da reserva cognitiva. A definição de reserva cognitiva (capacidade desenvolvida progressivamente através de experiências cognitivas exigentes e estimulantes como a educação) (Reed et al., 2010) conduz à expectativa de que a memória de trabalho seja influenciada pela escolaridade. Por esse motivo, afigura-se importante repetir esta análise em amostras de pessoas idosas com níveis superiores de escolaridade e verificar se o resultado é replicado.

Já a ausência de influência do sexo na memória de trabalho vai ao encontro de evidências prévias (Zahodne et al., 2011) e de outros estudos que mostraram que o sexo é especialmente relevante noutros tipos de memória (Herlitz et al., 1997; Herlitz & Rehnman, 2008; Maylor et al., 2007; Naveh-Benjamin et al., 2012; Pauls et al., 2013).

Foi também relevante o dado relativo à fraca influência da situação clínica. Apesar de as pessoas idosas com algum tipo de doença neurológica terem piores pontuações na memória de trabalho de forma estatisticamente significativa, a magnitude padronizada da diferença foi pequena e a correlação foi muito pequena e não significativa. A hipótese que se levanta refere-se à heterogeneidade clínica do grupo sem doença neurológica que incluía, por exemplo, pessoas com diabetes. Tal como foi referido previamente, esta patologia associa-se a declínio na evocação diferida (Comijs et al., 2009), o que pode ser explicado por alterações da memória de trabalho.

Por fim, verificou-se através da análise de regressão hierárquica que, apesar de o contributo individual da idade ser maior, também a profissão e a situação residencial predizem de forma estatisticamente significativa as pontuações na memória de trabalho. Assim, o reconhecimento da importância deste tipo de memória na cognição em geral (Cowan et al., 2005) deverá conduzir ao desenvolvimento de programas de treino dirigidos à melhoria da memória de trabalho em pessoas mais idosas que exerceram ocupações predominantemente manuais e que residam em estruturas residenciais para idosos.

Memória declarativa verbal

Quando se considera a memória declarativa verbal medida pelo Montreal Cognitive Assessment verifica-se que a maioria (75%) dos participantes tem pontuações inferiores a 12 pontos num total possível de 18 pontos. Este resultado pode ser explicado pela baixa escolaridade dos participantes e ocupações predominantemente manuais, pois o tipo de memória avaliado pelo Montreal Cognitive Assessment aproxima-se grandemente dos conteúdos adquiridos com a escolarização e ocupações de natureza intelectual.

No presente estudo, este tipo de memória é influenciado por todas as variáveis independentes consideradas. As mais relevantes são a escolaridade, profissão e situação residencial, pois os tamanhos do efeito são todos grandes. A idade apresenta uma influência de magnitude moderada nesta memória (assim como uma correlação moderada e estatisticamente significativa).

O resultado referente à idade é parcialmente suportado pelo estudo de Nyberg et al. (2003), uma vez que estes autores separaram na sua revisão a memória episódica, a qual é sensível à idade, da memória semântica, que tende a resistir ao envelhecimento. O resultado é ainda parcialmente suportado pela investigação de Pauls et al. (2013) que mostraram que a idade influencia a memória episódica.

Apesar da baixa magnitude da diferença, a influência do sexo não é apoiada pelos estudos que indicam que as mulheres tendem a ser melhores em provas de natureza verbal (Herlitz et al., 1997; Pauls et al., 2013; Zahodne et al., 2011). Para além de as idades das amostras do estudo de Herlitz et al. (1997) e de Pauls et al. (2013) incluírem pessoas de idades mais jovens, o verdadeiro contraste entre os três estudos e o estudo presente é a origem das amostras. Os participantes dos três estudos incluem somente pessoas da comunidade e sem condições graves de saúde, enquanto o estudo atual inclui pessoas institucionalizadas e um grande número de pessoas com condições clínicas de saúde graves, o que pode ter atenuado as diferenças entre sexos. A única forma de esclarecer esta discrepância será replicar o estudo numa amostra de pessoas idosas sem problemas graves de saúde.

A baixa escolaridade e a natureza manual de muitas ocupações prévias das pessoas idosas do estudo presente, tal como referido acima, podem ter contribuído para as baixas pontuações deste tipo de memória. Em apoio desta ideia, Salthouse (2003) propôs que o conhecimento pode melhorar a memória uma vez que facilita formas superiores de organização estrutural da informação. Os resultados de Giogkaraki, Michaelides e Constantinidou (2013) que mostram que a memória episódica verbal se associa à reserva cognitiva determinada pelo número de anos de escolaridade, vocabulário e desempenho de leitura dão também suporte aos resultados do presente estudo. Evidências adicionais provêm dos estudos de Elias et al. (1997), Lövdén et al. (2004) e Zahodne et al. (2011) que atestam o papel do nível educacional neste tipo de memória e da revisão de Bennet et al. (2012) que indica um declínio mais lento da memória episódica e semântica associado a atividades cognitivas passadas.

O facto de se verificar que ter um companheiro pode ser um fator de proteção neste tipo de memória é suportado por vários estudos relativos ao funcionamento cognitivo global (Conroy et al., 2010; Håkansson et al., 2009; Shankar et al., 2013). A explicação que decorre deste achado é de que o ter um companheiro se associe a uma maior estimulação cognitiva e social que ajuda a preservar a memória declarativa.

Quanto à influência da situação residencial, em que se verifica que as pessoas idosas em resposta social têm pior memória declarativa, vai no mesmo sentido da pesquisa de Winocur (1982), reforçando a ideia, já debatida anteriormente, de que as respostas sociais portuguesas oferecem fraca estimulação aos seus utentes. Outra possível explicação é de que as pessoas estão em resposta social institucional por apresentarem condições cognitivas que as impedem de residir autonomamente nas suas residências.

Quanto ao resultado encontrado de que a condição clínica geral afeta a memória declarativa, ela é apoiada por outras pesquisas já mencionadas previamente (Comijs et al., 2009; Hassing et al., 2004).

Por fim, a análise de regressão ajudou a esclarecer que a idade avançada é de facto um fator de risco para o défice na memória declarativa; contudo, mais significativos que a idade, são a baixa escolaridade e residir/frequentar uma resposta social.

Memória Visuoespacial Imediata e Diferida

Como podemos constatar, o percentil 75 correspondeu a pontuações baixas em ambas as provas da Figura Complexa de Rey-Osterrieth, o que pode ser explicado, mais uma vez pela baixa escolaridade da amostra (Rosselli & Ardila, 2003).

A memória visuoespacial é influenciada pela idade, com especial relevo para a memória imediata. O mesmo foi verificado noutras pesquisas (Boone et al., 1993; Chen & Naveh-Benjamin, 2012; Gallagher & Burke, 2007; Pauls et al., 2013; Old & Naveh-Benjamin, 2008; Rosselli & Ardilla, 1991).

A ausência de predomínio dos homens, tal como outros autores referiram (Rosselli & Ardilla, 1991; Pauls et al., 2013), poderá dever-se a aspetos culturais não estudados no presente estudo.

O nível educacional afeta, para além de outras, as habilidades de memória visuoespacial como indicado por vários estudos (Dansilio & Charamelo, 2005; Lezak et al., 2012; Rönnlund et al., 2005; Rosselli & Ardilla, 1991) e também verificado na pesquisa presente.

A ocupação prévia não está descrita na literatura como influenciando a memória visuoespacial, mas dada a relação entre a escolaridade e a profissão, é natural que a ocupação prévia contribua também para a formação de reserva cognitiva (Baldivia, Andrade, & Bueno, 2008) protegendo este tipo de memória.

Tal como já foi discutido anteriormente, ter um companheiro propiciará um contexto de maior estimulação que protege este tipo de memória. Este é um resultado sustentado indiretamente por investigações prévias que avaliaram o funcionamento cognitivo global (Conroy et al., 2010; Håkansson et al., 2009; Shankar et al., 2013).

Em relação à situação residencial, apesar de não haver na literatura pesquisas que fundamentem este resultado, a interpretação mais imediata passa pela já referida potencial falha de estimulação existente nas estruturas residenciais portuguesas para idosos ou pela institucionalização de pessoas com um estado cognitivo prévio deficitário.

Quanto à condição clínica geral, não havendo pesquisas anteriores que fundamentem este resultado, apenas através de investigações com novas amostras com condições clínicas homogéneas estudadas separadamente se poderá entender como é que a memória visuoespacial é afetada.

A análise de regressão contribuiu para esclarecer qual o papel preditivo das variáveis acima indicadas. Assim, para a memória visuoespacial imediata, os fatores preditivos são a escolaridade, seguida da idade e da situação residencial. Para a memória visuoespacial diferida são a escolaridade seguida da idade.

Limitações

No geral, apesar de os resultados atuais confirmarem e ampliarem a compreensão sobre os fatores associados à memória em pessoas idosas, o estudo apresenta algumas limitações, pelo que é necessária uma interpretação cautelosa dos referidos resultados. De facto, os resultados da investigação presente devem ser considerados preliminares apesar da grande dimensão da amostra. Várias categorias das variáveis independentes não estavam contrabalançadas para que se possa generalizar os resultados encontrados. Sugerimos que estudos futuros deverão incluir mais homens, pessoas com níveis de escolaridade mais elevados, mais idosos que tenham exercido profissões intelectuais, com companheiro e residentes na comunidade. Em termos clínicos, é também importante envolver pessoas saudáveis para melhor perceber a real influência de fatores protetores e, ao abranger pessoas com condições clínicas, procurar que as várias condições mais frequentes na velhice estejam numericamente equilibradas.

Adicionalmente, um resultado que não é aparente na investigação atual, mas descrito noutros estudos do TEIRS (Gordo, 2015; Pena, 2014), é que as pessoas institucionalizadas de Coimbra são menos escolarizadas e, provavelmente, de rendimento socioeconómico inferior. Inversamente, as pessoas residentes na comunidade são mais escolarizadas e, possivelmente, mais envolvidas em atividades socialmente mais estimulantes. Será que acontece o mesmo noutras regiões do país? Na dúvida, estes resultados não podem ser generalizados para pessoas idosas residentes noutras áreas de Portugal, pelo devem ser realizadas pesquisas que explorem quais os fatores que protegem/afetam a memória.

A indicação de que o envolvimento em atividades de lazer social, cognitiva e fisicamente estimulantes protegem o funcionamento cognitivo (Ghisletta, Bickel, & Lövdén, 2006; Hertzog, Kramer, Wilson, & Lindenberger, 2008; Hultsch, Hertzog, Small, & Dixon, 1999; Lövdén, Ghisletta, & Lindenberger, 2005) sugere que estudos futuros devem controlar estes aspetos para perceber qual o real peso de cada fator na proteção da memória.

Outro aspeto a ter em atenção é a natureza transversal do estudo que não permite tirar ilações de causalidade. Em estudos futuros será então importante recorrer a uma metodologia longitudinal com vista a melhor perceber e consolidar os resultados aqui reportados.

Conclusão

Globalmente, os resultados desta pesquisa mostram que a idade é um fator relevante para a memória, mas também o são a escolaridade, a ocupação prévia e os fatores que potencialmente estimulam cognitiva e socialmente (ter um companheiro e residir na comunidade). Assim, este estudo contribui para o conjunto de investigações que indicam a importância de se manter a estimulação cognitiva e social para assim preservar o bom funcionamento da memória na idade avançada. Na situação em que a institucionalização é a opção que resta para muitas pessoas idosas, realçamos a necessidade de investir em intervenções que promovam as relações sociais, tornando-se especialmente relevante entre os que têm baixos níveis de escolaridade, que tiveram ocupações prévias predominantemente manuais e sem companheiro.

 

Conflito de interesses: nenhum.

Fontes de financiamento: nenhuma.

 

 

TOP

REFERÊNCIAS

Bäckman, L., Small, B. J., Wahlin, Å., & Larsson, M. (2000). Cognitive functioning in very old age. In F. I. M. Craik & T. A. Salthouse (Eds.), The handbook of aging and cognition (2nd ed., pp. 499-558). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates. [Google Scholar]

Baldivia, B., Andrade, V. M., & Bueno, O. F. A. B. (2008). Contribution of education, occupation and cognitively stimulating activities to the formation of cognitive reserve. Dementia & Neuropsychologia, 2(3), 173-182. [Google Scholar]  [CrossRef]

Bangen, K. J., Jack, A. J., Schiehser, D. M., Delano-Wood, L., Tuminello, E., Han, S. D., . . . Bondi, M. W. (2010). Complex activities of daily living vary by mild cognitive impairment subtype. Journal of the International Neuropsychological Society, 16(4), 630-639. [Google Scholar]  [CrossRef]

Bartrés-Faz, D., Junqué, C., López-Alomar, A., Valveny, N., Moral, P., Casamayor, R., . . . Clemente, I. C. (2001). Neuropsychological and genetic differences between age-associated memory impairment and mild cognitive impairment entities. Journal of the American Geriatrics Society, 49(7), 985-990. [Google Scholar]  [CrossRef]

Bennett, D. A., Schneider, J. A., Buchman, A. S., Barnes, L. L., Boyle, P. A., & Wilson, R. S. (2012). Overview and findings from the Rush Memory and Aging Project. Current Alzheimer Research, 9(6), 646-663. [Google Scholar]  [CrossRef]

Bickel, H., & Cooper, B. (1994). Incidence and relative risk of dementia in an urban elderly population: Findings of a prospective field-study. Psychological Medicine, 24(1), 179-192. [Google Scholar]  [CrossRef]

Boone, K. B., Lesser, I. M., Hill-Gutierrez, E., Berman, N. G., & D’Elia, L. F. (1993). Rey–Osterrieth Complex Figure performance in healthy, older adults: Relationship to age education, sex and IQ. Clinical Neuropsychologist, 7(1), 22-28. [Google Scholar]  [CrossRef]

Buchner, A., Erdfelder, E., Faul, F., & Lang, A. G. (2014). G*Power 3 (Version 3.1.9.2 for Macintosh) [Computer software]. Düsseldorf: Heinrich-Heine-Universität Dusseldorf [Google Scholar]  [URL]

Casanova-Sotolongo, P., Casanova-Carrillo, P., & Casanova-Carrillo, C. (2004). La memoria. Introducción al estudio de los trastornos cognitivos en el envejecimiento normal y patológico [Memory. An introduction to the study of the cognitive disorders in normal and pathological aging. Revista de Neurología, 38(5), 469-472.  [Google Scholar]  [URL]

Chang, A. (2013). StatsToDo (Sample size for estimating a single alpha program) (online calculator). Brisbane, Queensland, Austrália. [Google Scholar]  [URL]

Chen, T., & Naveh-Benjamin, M. (2012). Assessing the associative deficit of older adults in long-term and short-term/working memory. Psychology and Aging, 27(3), 666-682. [Google Scholar]  [CrossRef]

Cherkin, A. (1968). Kinetics of memory consolidation: Role of amnesic treatment parameters. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United. States of America, 63(4), 1094-1101. [Google Scholar]  [CrossRef]

Comijs, H. C., Kriegsman, D. M. W., Dik, M. G., Deeg, D. J. H., Jonker, C., & Stalman, W. A. B. (2009). Somatic chronic diseases and 6-year change in cognitive functioning among older persons. Archives of Gerontology and Geriatrics, 48(2), 10-1016. [Google Scholar]  [CrossRef]

Conroy, R. M., Golden, J., Jeffares, I., O' Neill, D., & McGee, H. (2010). Boredom-proneness, loneliness, social engagement and depression and their association with cognitive function in older people: A population study. Psychology, Health & Medicine, 15(4), 463-473. [Google Scholar]  [CrossRef]

Cowan, N., Elliott, E. M., Scott Saults, J., Morey, C. C., Mattox, S., Hismjatullina, A., & Conway, A. R. A. (2005). On the capacity of attention: Its estimation and its role in working memory and cognitive aptitudes. Cognitive Psychology, 51(1), 42-100. [Google Scholar]  [CrossRef]

Craik, F. I. M. (1994). Memory changes in normal aging. Current Directions in Psychological Science, 3(5), 155-158. [Google Scholar]  [CrossRef]

Crook, T., Bartus, R. T., Ferris, S. H., Whitehouse, P., Cohen, G. D., & Gershon, S. (1986). Ageassociated memory impairment: Proposed diagnostic criteria and measures of clinical change — report of a national institute of mental health work group. Developmental Neuropsychology, 2(4), 261-276. [Google Scholar]  [CrossRef]

Dansilio, S., & Charamelo, A. (2005). Constructional functions and figure copying in illiterates or low-schooled Hispanics. Archives of Clinical Neuropsychology, 20(8), 1105-1112. [Google Scholar]  [CrossRef]

Delis, D. C., & Kramer, J. H. (2000). Advances in neuropsychological assessment of memory disorders. In F. Boller & J. Grafman (Eds.), Handbook of neuropsychology (2nd ed., Vol. 2, pp. 25-47). Amsterdam: Elsevier Science Publishers. [Google Scholar]

Duro, D., Simões, M. R., Ponciano, E., & Santana, I. (2010). Validation studies of the Portuguese experimental version of the Montreal Cognitive Assessment (MoCA): Confirmatory factor analysis. Journal of Neurology, 257(5), 728-734. [Google Scholar]  [CrossRef]

Elias, M. F., Elias, P. K., D’Agostino, R. B., Silbershatz, H., & Wolf, P. A. (1997). Role of age, education, and gender on cognitive performance in the Framingham Heart Study: Community-based norms. Experimental Aging Research, 23(3), 201-235. [Google Scholar]  [CrossRef]

Espirito-Santo, H., & Daniel, F. (2015). Calcular e apresentar tamanhos do efeito em trabalhos científicos (1): As limitações do p < 0,05 na análise de diferenças de médias de dois grupos - Folha de cálculo suplementar [Calculating and reporting effect sizes on scientific papers (1): p < 0.05 limitations in the analysis of mean differences of two groups – Supplemental worksheet]. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 1(1), 3-16. [Google Scholar]  [CrossRef]

Fastame, M. C., Hitchcott, P. K., Penna, M. P., & Murino, G. (2016). Does institutionalization influence perceived metamemory, psychological well-being, and working-memory efficiency in Italian elders? A preliminary study. Journal of Clinical Gerontology and Geriatrics, 7(1), 6-11. [Google Scholar]  [CrossRef]

Faul, F., Erdfelder, E., Lang, A. G., & Buchner, A. (2007). G*Power 3: A flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behavior Research Methods, 39(2), 175-191. [Google Scholar]  [CrossRef]

Folstein, M. F., Folstein, S. E., & McHugh, P. R. (1975). Mini-mental state”. A practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of Psychiatric Research, 12(3), 189-198. [Google Scholar]  [CrossRef]

Fratiglioni, L., Wang, H. X., Ericsson, K., Maytan, M., & Winblad, B. (2000). Influence of social network on occurrence of dementia: A community-based longitudinal study. The Lancet, 355, 1315-1319. [Google Scholar]  [CrossRef]

Gallagher, C., & Burke, T. (2007). Age, gender and IQ effects on the Rey-Osterrieth Complex Figure Test. British Journal of Clinical Psychology, 46(1), 35-45. [Google Scholar]  [CrossRef]

Ghisletta, P., Bickel, J. F., & Lövdén, M. (2006). Does activity engagement protect against cognitive decline in old age? Methodological and analytical considerations. The Journals of Gerontology, Series B: Psychological Sciences and Social Sciences, 61(5), 253-261. [Google Scholar]  [CrossRef]

Giogkaraki, E., Michaelides, M. P., & Constantinidou, F. (2013). The role of cognitive reserve in cognitive aging: Results from the neurocognitive study on aging. Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology, 35(10), 1024-1035. [Google Scholar]  [CrossRef]

Gold, P. E., & McGaugh, J. L. (1975). A single-trace, two-process view of memory storage processes. In D. Deutsch & J. A. Deutsch (Eds.), Short-term memory (pp. 355–378). New York: Academic Press. [Google Scholar]

Gordo, S. M. O. (2015). Estudio del funcionamiento ejecutivo y de las actividades de la vida diaria en ancianos en función del ámbito de residencia habitual [Study of executive functioning and activities of daily life in older people according to the context of habitual residence] (Doctoral dissertation). [Google Scholar]  [Handle]

Guerreiro, M. (2010). Testes de rastreio de defeito cognitivo e demência: Uma perspectiva prática [Screening tests for cognitive impairment and dementia: A practical perspetive]. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 26(1), 46-53.  [Google Scholar]  [URL]

Guerreiro, M., Silva, A. P., Botelho, M. A., Leitão, O., Castro-Caldas, A., & Garcia, C. (1994). Adaptação à população portuguesa da tradução do “Mini-Mental State Examination” (MMSE) [Adaptation to the Portuguese population of the translation of the Mini-Mental State Examination (MMSE)]. Revista Portuguesa de Neurologia, 1, 9-10. [Google Scholar]

Håkansson, K., Rovio, S., Helkala, E. L., Vilska, A. R., Winblad, B., Soininen, H., . . . Kivipelto, M. (2009). Association between mid-life marital status and cognitive function in later life: Population based cohort study. BMJ, 339(99), 1-8. [Google Scholar]  [CrossRef]

Hänninen, T., Hallikainen, M., Koivisto, K., Helkala, E. L., Reinikainen, K. J., Soininen, H., . . . Riekkinen, P. J. Sr. (1995). A followup study of ageassociated memory impairment: Neuropsychological predictors of dementia. Journal of the American Geriatrics Society, 43(9), 1007-1015. [Google Scholar]  [CrossRef]

Hassing, L. B., Hofer, S. M., Nilsson, S. E., Berg, S., Pedersen, N. L., McClearn, G., & Johansson, B. (2004). Comorbid type 2 diabetes mellitus and hypertension exacerbates cognitive decline: Evidence from a longitudinal study. Age and Ageing, 33(4), 355-361. [Google Scholar]  [CrossRef]

Herlitz, A., & Rehnman, J. (2008). Sex differences in episodic memory. Current Directions in Psychological Science, 17(1), 52-56. [Google Scholar]  [CrossRef]

Herlitz, A., Nilsson, L. G., & Bäckman, L. (1997). Gender differences in episodic memory. Memory & Cognition, 25(6), 801-811. [Google Scholar]  [CrossRef]

Hertzog, C., Kramer, A. F., Wilson, R. S., & Lindenberger, U. (2008). Enrichment effects on adult cognitive development: Can the functional capacity of older adults be preserved and enhanced. Psychological Science in the Public Interest, 9(1), 1-65. [Google Scholar]  [CrossRef]

Howieson, D. B., Holm, L. A., Kaye, J. A., Oken, B. S., & Howieson, J. (1993). Neurologic function in the optimally healthy oldest old: Neuropsychological evaluation. Neurology, 43(10), 1882-1886. [Google Scholar]  [CrossRef]

Hultsch, D. F., Hertzog, C., Small, B. J., & Dixon, R. A. (1999). Use it or lose it: Engaged lifestyle as a buffer of cognitive decline in aging? Psychology and Aging, 14(2), 245-263. [Google Scholar]  [CrossRef]

Hultsch, D. F., Hertzog, C., Small, B. J., McDonald-Miszczak, L., & Dixon, R. A. (1992). Short-term longitudinal change in cognitive performance in later life. Psychology and Aging, 7(4), 571-584. [Google Scholar]  [CrossRef]

Huppert, F., Johnson, T., & Nickson, J. (2000). High prevalence of prospective memory impairment in the elderly and in early-stage dementia: Findings from a population-based study. Applied Cognitive Psychology, 14(7), 63-81. [Google Scholar]  [CrossRef]

Jonker, C., Geerlings, M. I., & Schmand, B. (2000). Are memory complaints predictive for dementia? A review of clinical and population-based studies. International Journal of Geriatric Psychiatry, 15(11), 983-991. [Google Scholar]  [CrossRef]

Kim, H. Y. (2013). Statistical notes for clinical researchers: Assessing normal distribution (2) using skewness and kurtosis. Restorative Dentistry & Endodontics, 38(1), 52-54. [Google Scholar]  [CrossRef]

Koivisto, K., Reinikainen, K. J., Hänninen, T., Vanhanen, M., Helkala, E. L., Mykkänen, L., . . . Riekkinen, P. J. Sr. (1995). Prevalence of age-associated memory impairment in a randomly selected population from eastern Finland. Neurology, 45(4), 741-747. [Google Scholar]  [CrossRef]

Kral, V. A. (1962). Senescent forgetfulness: Benign and malignant. Canadian Medical Association Journal, 86(6), 257-260.  [Google Scholar]  [PMC]

Larrabee, G. J., Levin, H. S., & High, W. M. (1986). Senescent forgetfulness: A quantitative study. Developmental Neuropsychology, 2(4), 373-385. [Google Scholar]  [CrossRef]

Lezak, M. D., Howieson, D. B., Biegler, E. D., & Tranel, D. (2012). Neuropsychological assessment (5th ed.). New York: Oxford University Press. [Google Scholar]

Lobo, A., Saz, P., Marcos, G., Día, J. L., de la Cámara, C., Ventura, T., . . . Aznar, S. (1999). Revalidation and standardization of the cognition mini-exam (first Spanish version of the Mini-Mental Status Examination) in the general geriatric population. Medicina Clínica, 112(20), 767-774. [Google Scholar]

Lövdén, M., Ghisletta, P., & Lindenberger, U. (2005). Social participation attenuates decline in perceptual speed in old and very old age. Psychology and Aging, 20(3), 423-434. [Google Scholar]  [CrossRef]

Lövdén, M., Rönnlund, M., Wahlin, Å., Bäckman, L., Nyberg, L., & Nilsson, L. G. (2004). The extent of stability and change in episodic and semantic memory in old age: Demographic predictors of level and change. The Journals of Gerontology, Series B: Psychological Sciences and Social Sciences, 59(3), 130-134. [Google Scholar]  [CrossRef]

Maroof, D. A. (2012). Statistical methods in neuropsychology: Common procedures made comprehensible. Boston, MA: Springer. [Google Scholar]  [CrossRef]

May, A. (2011). Experience-dependent structural plasticity in the adult human brain. Trends in Cognitive Sciences, 15(10), 475-482. [Google Scholar]  [CrossRef]

Maylor, E. A., Reimers, S., Choi, J., Collaer, M. L., Peters, M., & Silverman, I. (2007). Gender and sexual orientation differences in cognition across adulthood: Age is kinder to women than to men regardless of sexual orientation. Archives of Sexual Behavior, 36(2), 235-249. [Google Scholar]  [CrossRef]

Mega, M. S., Small, G. W., Xu, M. L., Felix, J., Manese, M., Tran, N. P., . . . Toga, A. W. (2002). Hippocampal atrophy in persons with age-associated memory impairment: Volumetry within a common space. Psychosomatic Medicine, 64(3), 487-492. [Google Scholar]  [CrossRef]

Meinz, E. J., & Salthouse, T. A. (1998). Is age kinder to females than to males. Psychonomic Bulletin & Review, 5(3), 56-70. [Google Scholar]  [CrossRef]

Meyers, J. E., & Meyers, K. R. (1995). Rey Complex Figure Test and Recognition Trial: Professional manual. Lutz, FL: Psychological Assessment Resources. [Google Scholar]

Nasreddine, Z. S., Phillips, N. A., Bédirian, V., Charbonneau, S., Whitehead, V., Collin, I., . . . Chertkow, H. (2005). The Montreal Cognitive Assessment, MoCA: A brief screening tool for mild cognitive impairment. Journal of the American Geriatrics Society, 53(4), 695-699. [Google Scholar]  [CrossRef]

Naveh-Benjamin, M., Maddox, G. B., Jones, P., Old, S., & Kilb, A. (2012). The effects of emotional arousal and gender on the associative memory deficit of older adults. Memory & Cognition, 40(4), 551-566. [Google Scholar]  [CrossRef]

Nielsen, H., Lolk, A., & Kragh-Sørensen, P. (1998). Age-associated memory impairment--pathological memory decline or normal aging? Scandinavian Journal of Psychology, 39(1), 33-37. [Google Scholar]  [CrossRef]

Nyberg, L., Maitland, S. B., Rönnlund, M., Bäckman, L., Dixon, R. A., Wahlin, Å., & Nilsson, L. G. (2003). Selective adult age differences in an age-invariant multifactor model of declarative memory. Psychology and Aging, 18(1), 149-160. [Google Scholar]  [CrossRef]

Old, S., & Naveh-Benjamin, M. (2008). Memory for people and their actions: Further evidence for an age-related associative deficit. Psychology and Aging, 23(2), 467-472. [Google Scholar]  [CrossRef]

Osterrieth, P. A. (1944). Le test de copie d’une figure complexe, contribution à l’étude de la perception et de la mémoire [Test of copying a complex figure; contribution to the study of perception and memory]. Archives de Psychologie, 30, 206-356. [Google Scholar]

Pallant, J. (2011). SPSS Survival Manual: A step by step guide to data analysis using SPSS for Windows (4th ed.). Crows Nest: Allen & Unwin. [Google Scholar]

Park, D. C., & Reuter-Lorenz, P. (2009). The adaptive brain: Aging and neurocognitive scaffolding. Annual Review of Psychology, 60(1), 173-196. [Google Scholar]  [CrossRef]

Park, D. C., Lautenschlager, G., Hedden, T., Davidson, N. S., Smith, A. D., & Smith, P. K. (2002). Models of visuospatial and verbal memory across the adult life span. Psychology and Aging, 17(2), 299-320. [Google Scholar]  [CrossRef]

Parnetti, L., Lowenthal, D. T., Presciutti, O., Pelliccioli, G. P., Palumbo, R., Gobbi, G., Chiarini, P., Palumbo, B., Tarducci, R., Senin, U. (1996). 1H-MRS, MRI-based hippocampal volumetry, and 99mTc-HMPAO-SPECT in normal aging, age-associated memory impairment, and probable Alzheimer's Disease. Journal of the American Geriatrics Society, 44(2), 133-138. [Google Scholar]  [CrossRef]

Pascual-Millán, L. F., Fernández, T., Saz, P., Lobo, A., & Morales-Asín, F. (2000). Exploración de la memoria de trabajo con el miniexamen cognoscitivo [Working memory assessment with mini-mental state examination]. Revista de Neurologia, 30(1), 1-4.  [Google Scholar]  [URL]

Pauls, F., Petermann, F., & Lepach, A. C. (2013). Gender differences in episodic memory and visual working memory including the effects of age. Memory, 21(7), 857-874. [Google Scholar]  [CrossRef]

Pena, I. T. (2014). Funcionamiento neuropsicológico y emocional en el envejecimiento. Estudio comparativo entre ancianos institucionalizados y no institucionalizados [Neuropsychological and emotional functioning in aging. Comparative study between institutionalized and non-institutionalized older people] (Doctoral dissertation).   [Google Scholar]  [Handle]

Peterson, R. A. (1994). A meta-analysis of Cronbach's coefficient alpha. Journal of Consumer Research, 21(2), 381-391.  [Google Scholar]  [JSTOR]

Plassman. B. L., Williams, J. W., Burke, J. R., Holsinger, T., & Benjamin, S. (2010). Systematic review: Factors associated with risk for and possible prevention of cognitive decline in later life. Annals of Internal Medicine, 153(3), 182-193. [Google Scholar]  [CrossRef]

Potter, G. G., Helms, M. J., & Plassman, B. L. (2008). Associations of job demands and intelligence with cognitive performance among men in late life. Neurology, 70(19, Part 2), 1803-1808. [Google Scholar]  [CrossRef]

Reed, B. R., Mungas, D., Farias, S. T., Harvey, D., Beckett, L., Widaman, K., . . . DeCarli, C. (2010). Measuring cognitive reserve based on the decomposition of episodic memory variance. Brain, 133(8), 2196-2209. [Google Scholar]  [CrossRef]

Rey, A. (1941). L’examen psychologique dans les cas d’encéphalopathie traumatique. (Les problems) [The psychological examination in cases of traumatic encepholopathy Problems]. Archives de Psychologie, 28, 215-285. [Google Scholar]

Rey, A. (2002). Rey: Teste de cópia de figuras complexas [Rey: Complex figures copy test] (2nd ed.). Lisboa: CEGOC-TEA. [Google Scholar]

Rönnlund, M., Nyberg, L., Bäckman, L., & Nilsson, L. G. (2005). Stability, growth, and decline in adult life span development of declarative memory: Cross-sectional and longitudinal data from a population-based study. Psychology and Aging, 20(1), 3-18. [Google Scholar]  [CrossRef]

Rosselli, M., & Ardila, A. (1991). Effect of age, education, and gender on the Rey–Osterrieth Complex Figure. Clinical Neuropsychology, 5(4), 370-376. [Google Scholar]  [CrossRef]

Rosselli, M., & Ardila, A. (2003). The impact of culture and education on non-verbal neuropsychological measurements: A critical review. Brain and Cognition, 52(3), 326-333. [Google Scholar]  [CrossRef]

Rubin, E. H., Storandt, M., Miller, J. P., Kinscherf, D. A., Grant, E. A., Morris, J. C., & Berg, L. (1998). A prospective study of cognitive function and onset of dementia in cognitively healthy elders. Archives of Neurology, 55(3), 395-401. [Google Scholar]  [CrossRef]

Salthouse, T. A. (2003). Interrelations of aging, knowledge, and cognitive performance. In U. M. Staudinger & U. Lindenberger (Eds.), Understanding human development: Dialogues with lifespan psychology (pp. 265-287). Berlin: Kluwer Academic Publishers. [Google Scholar]

Schacter, D. L. (2012). Constructive memory: Past and future. Dialogues in Clinical Neuroscience, 14(1), 7-18.  [Google Scholar]  [PMC]

Schneeweis, N., Skirbekk, V., & Winter-Ebmer, R. (2014). Does education improve cognitive performance four decades after school completion? Demography, 51(2), 619. [Google Scholar]  [CrossRef]

Shankar, A., Hamer, M., McMunn, A., & Steptoe, A. (2013). Social isolation and loneliness: Relationships with cognitive function during 4 years of follow-up in the English longitudinal study of ageing. Psychosomatic Medicine, 75(2), 161-170. [Google Scholar]  [CrossRef]

Shigemori, K., Ohgi, S., Okuyama, E., Shimura, T., & Schneider, E. (2010). The factorial structure of the Mini Mental State Examination (MMSE) in Japanese dementia patients. BMC Geriatrics, 10(1), 36-42. [Google Scholar]  [CrossRef]

Slavin, M. J., Brodaty, H., Kochan, N. A., Crawford, J. D., Trollor, J. N., Draper, B., & Sachdev, P. S. (2010). Prevalence and predictors of “subjective cognitive complaints” in the Sydney memory and ageing study. American Journal of Geriatric Psychiatry, 18(8), 701-710. [Google Scholar]  [CrossRef]

Soininen, H. S., Partanen, K., Pitkänen, A., Vainio, P., Hänninen, T., Hallikainen, M., . . . Riekkinen, P. J. (1994). Volumetric MRI analysis of the amygdala and the hippocampus in subjects with age-associated memory impairment: Correlation to visual and verbal memory. Neurology, 44(9), 1660-1668. [Google Scholar]

Squire, L. R. (1992). Memory and the hippocampus: A synthesis from findings with rats, monkeys, and humans. Psychological Reviews, 99(3), 195-231. [Google Scholar]  [CrossRef]

Strauss, E., Sherman, E., & Spreen, O. (2006). A Compendium of neuropsychological tests: Administration, norms, and commentary (3rd ed.). New York: Oxford University Press. [Google Scholar]

Tombaugh, T. N., & McIntyre, N. J. (1992). The MiniMental State Examination: A comprehensive review. Journal of the American Geriatrics Society, 40(9), 922-935. [Google Scholar]  [CrossRef]

Tucker-Drob, E. M., Johnson, K. E., & Jones, R. N. (2009). The cognitive reserve hypothesis: A longitudinal examination of age-associated declines in reasoning and processing speed. Developmental Psychology, 45(2), 431-446. [Google Scholar]  [CrossRef]

Tulving, E. (1972). Episodic and semantic memory. In E. Tulving & W. Donaldson (Eds.), Organization of memory (pp. 381-403). New York: Academic Press. [Google Scholar]

Tulving, E. (1995). Organization of memory: Quo vadis? In M. S. Gazzaniga (Ed.), The cognitive neurosciences (pp. 839-847). Cambridge, MA: MIT Press. [Google Scholar]

Tulving, E., & Craik, F. I. M. (2000). The Oxford handbook of memory. Oxford: Oxford University Press. [Google Scholar]

Winocur, G. (1982). Learning and memory deficits in institutionalized and noninstitutionalized old people: An analysis of interference effects. In F. l. M. Craik & S. Trehub (Eds.), Aging and cognitive processes (pp. 155-181). New York: Plenum Press. [Google Scholar]  [CrossRef]

World Medical Association. (2013). WMA Declaration of Helsinki - Ethical principles for medical research involving human subjects.  [Google Scholar]  [URL]

Zahodne, L. B., Glymour, M. M., Sparks, C., Bontempo, D., Dixon, R. A., MacDonald, S. W. S., & Manly, J. J. (2011). Education does not slow cognitive decline with aging: 12-Year evidence from the Victoria longitudinal study. Journal of International Neuropsychological Society, 17(6), 1039-1046. [Google Scholar]  [CrossRef]

Zandi, T. (2004). Relationship between subjective memory complaints, objective memory performance, and depression among older adults. American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias, 19(6), 353-360. [Google Scholar]  [CrossRef]

 

 

 

 



PhD. Coordenação do projeto, elaboração do trabalho, análise estatística e revisão do texto. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

PsyM. Elaboração do trabalho, recolha e inserção de dados e revisão do texto. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

PsyM. Elaboração do trabalho, análise estatística e revisão do texto. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

PsyM. Elaboração do trabalho e revisão do texto. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

PhD. Elaboração do trabalho e revisão do texto. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

PhD. Revisão metodológica, estatística e do texto. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2016 Helena Espirito-Santo, Inês Torres Pena, Inês Queiroz Garcia, Catarina Freitas Pires, Margarida Couto, & Fernanda Daniel

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

 

 

 


Links rápidos para

Autores

Registe-se como novo autor

Acompanhe o estado das suas submissões

Submeta um novo manuscrito

Atualize os detalhes no seu perfil

Consulte as diretrizes para os autores

Definição de Autoria

 

Links rápidos para

Revisores

 

Registe-se como novo Revisor

Visão geral de uma revisão em curso

Atualize os detalhes no seu perfil

Processo para realizar revisões

Diretrizes adicionais