Vivências das mães de recém-nascidos em risco e perigo: Perceções de uma equipa enfermagem de saúde materna e obstetrícia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.194

Palavras-chave:

Equipa de enfermagem, Mães, Perigo, Recém-nascidos, Vivências, Estudo qualitativo

Resumo

Contexto e Objetivo: Este estudo visa perceber as vivências das mães de recém-nascidos em risco e perigo na perspetiva de uma equipa de enfermagem de saúde materna e obstetrícia. Método: realizou-se uma investigação de caráter qualitativo e desenho transversal, na qual participaram dezanove enfermeiros de saúde materna e obstetrícia. A recolha de dados foi feita através de um questionário sociodemográfico e um guião de entrevista semiestruturado composto por questões abertas. Resultados: Na perspetiva dos enfermeiros entrevistados, o percurso de vida das mães de recém-nascidos em risco e perigo apresenta um acumular de acontecimentos desafiantes, que em alguns casos pode afetar os cuidados maternos e em consequência o desenvolvimento do recém-nascido. Além disso, segundo os enfermeiros entrevistados, as mães lidam com a avaliação das situações de risco e perigo, sobretudo, com receio de separação do recém-nascido. Apesar disso, consideram que, na maioria das vezes, a colaboração para o trabalho profissional é positiva. Conclusões: É necessária uma avaliação e intervenção precoces por parte dos profissionais que acompanham estas mães e famílias, tendo em vista as necessidades dos recém-nascidos para evitar a perpetuação das situações de risco e perigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Álvarez-Dardet, S. M., García, M. V. H., García, L. J., Lara, B. L., & Hidalgo, J. S. (2010). Perfil psicosocial de familias en situación de riesgo. Un estudio de necesidades con usuarias de los Servicios Sociales Comunitarios por razones de preservación familiar. Anales de Psicología, 26(2), 378–389. https://bit.ly/3nHPyxs

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (Ed. Revista e Actualizada). Edições 70.

Barrett, E., Denieffe, S., Bergin, M., & Gooney, M. (2017). An exploration of paediatric nurses' views of caring for infants who have suffered nonaccidental injury. Journal of Clinical Nursing, 26(15–16), 2274–2285. https://doi.org/f9q386

Borsa, J. C. (2007). Considerações acerca da relação mãe-bebê da gestação ao puerpério. Revista Contemporânea Psicanálise e Transdisciplinaridade, 2, 310–321. https://bit.ly/3ufgzel

Bowlby, J. (2006a). Cuidados maternos e saúde mental (5ª ed.). Martins Fontes.

Bowlby, J. (2006b). Formação e rompimento dos laços afetivos (4ª ed.). Martins Fontes.

Brandão, M. T. (2011). Propostas de intervenção familiar para crianças em risco. In A. T. Almeida & N. Fernandes (Orgs.), Intervenção com crianças, jovens e famílias: Estudos e práticas (1ª ed., pp. 247–264). Almedina.

Cabral, F., & Oliveira, D. L. (2010). Vulnerabilidade de puérperas na visão de equipes de saúde da família: ênfase em aspectos geracionais e adolescência. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44(2), 368–375. https://bit.ly/3nHQ3HQ

Canavarro, M., C. (Coord.). (2001). Psicologia da gravidez e da maternidade (1ª ed.). Quarteto.

Carvalho, M. J. L. (2013). Sistema nacional de acolhimento de crianças e jovens. Programa Gulbenkian de desenvolvimento humano. https://bit.ly/3vPKJFX

Corrêa, Á. C., Arruda, T. M., Mandú, E. N. T., Teixeira, R. C., & Arantes, R. B. (2010). Humanização da assistência à puérpera: concepções de profissionais de enfermagem de um hospital público. Ciência, Cuidado e Saúde, 9(4), 728–735. https://bit.ly/3xIohQo

Correia, M. J. (2016) Gravidez e maternidade em grupos de risco. In I. Leal (Coord.), Psicologia da gravidez e da parentalidade (2ª ed., pp. 49–60). Fim de Século Edições.

Correia, M. J. (2017). Parentalidade comprometida. In F. Xarepe, I. F. Costa, & M. R. O. Morgado (Coords.), O risco e o perigo na criança e na família (1ª ed., pp. 27–34). Pactor.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2005). The sage handbook of qualitative research (2nd ed.). Sage Publications.

Direção Geral de Saúde. (2007). Crianças e jovens em risco: Projecto de intervenção nos serviços de saúde. https://bit.ly/3tdESrC

Direção Geral de Saúde. (2014). Ação de Saúde para crianças e jovens em risco e ação de saúde sobre género, violência e ciclo de vida no contexto de cuidados de saúde primários. https://bit.ly/2RhxL4c

García, M. V., Lara, B., Padilla, J., & Álvarez-Dardet, S. (2012). Tipología de familias en situación de riesgo psicosocial: el papel de la estructura familiar. Revista Mexicana de Psicología, 29(2), 165–175. https://bit.ly/3nLxXoG

Griboski, R. A., & Guilhem, D. (2006). Mulheres e profissionais de saúde: o imaginário cultural na humanização ao parto e nascimento. Texto & Contexto Enfermagem, 15(1), 101–114. https://bit.ly/33nDl89

Kita, S., Tobe, H., Umeshita, K., Hayashi, M., & Kamibeppu, K. (2021). Impact of intimate partner violence and childhood maltreatment on maternal–infant maltreatment: A longitudinal study. Japan Journal of Nursing Science, 18(1), 1–12. https://doi.org/f9w6

Kleinschmidt, A. (2019). Child maltreatment red flags: Two cases of bruising in premobile infants. Journal of Pediatric Health Care, 33(1), 92–96. https://doi.org/f9w7

Lei nº 147/99 da Assembleia da República. (1999). Diário da República: I-A Série. nº 240. https://bit.ly/3gWJvUt

Líbera, B. D., Saunders, C., Santos, M. M. A. D. S., Rimes, K. A., Brito, F. R. D. S. D., & Baião, M. R. (2011). Avaliação da assistência pré-natal na perspetiva de puérperas e profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 16, 4855–4864. https://doi.org/fbrnpf

MacKenzie, M. J., Kotch, J. B., & Lee, L. C. (2011). Toward a cumulative ecological risk model for the etiology of child maltreatment. Children and Youth Services Review, 33(9), 1638–1647. https://doi.org/b7whfk

Manso, J. M. (2002). Estudio sobre las variables que intervienen en el abandono físico o negligencia infantil. Anales de Psicología, 18(1), 135–150. https://bit.ly/3aYbbVh

Mayer, B. W., & Burns, P. (2000). Differential diagnosis of abuse injuries in infants and young children. Nurse Practitioner, 25(10), 15–37. https://bit.ly/3eJwpaw

Mendes, A. P. D., & Galdeano, L. E. (2006). Percepção dos enfermeiros quanto aos fatores de risco para vínculo mãe-bebê prejudicado. Ciência, Cuidado e Saúde, 5(3), 363–371. https://bit.ly/2QHjD4x

Pereira, A. T. & Macedo, A. F. (2014). Saúde mental perinatal (1ª ed.). Lidel.

Pereira, H. P., Monteiro, M. J., & Costa, J. G. (2021). Atuação dos enfermeiros de saúde materna e obstetrícia nas situações de risco e perigo em recém-nascidos: Um estudo qualitativo [Manuscrito submetido para publicação]. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Ramião, T. A. (2017). Lei de proteção de crianças e jovens em perigo anotada e comentada (8ª ed.). Quid Juris.

Soriano, F. J. R. (2004). Promoção e protecção dos direitos das crianças: Guia de orientações para os profissionais da saúde na abordagem de situações de maus-tratos ou outras situações de perigo. Generalitat Valenciana. https://bit.ly/2PPh6EU

Publicado

2021-05-31

Como Citar

Pereira, H., Monteiro, M. J., & Gomes da Costa, J. (2021). Vivências das mães de recém-nascidos em risco e perigo: Perceções de uma equipa enfermagem de saúde materna e obstetrícia. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 7(1), 1–13. https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.194

Edição

Secção

Artigo Original