Avaliação de Fatores de Risco Psicossociais: estudo com docentes do ensino superior

Resumo

Objetivos: Os fatores psicossociais, enquanto características relacionadas com condições e organização do trabalho, interferem na saúde dos trabalhadores, e os riscos psicossociais emergem da interação entre colaboradores e condições de vida e de trabalho. O objetivo do estudo foi avaliar os fatores de riscos psicossociais em docentes do ensino superior de modo a perceber o exercício da docência enquanto profissão de risco em termos de esgotamento físico e mental, dada a sua contínua exposição a situações risco psicossocial.

Método: O estudo contou com a administração de dois instrumentos, um de caracterização da amostra e o outro para avaliar fatores de risco psicossociais — a versão portuguesa do Copenhagen Psychosocial Questionnaire — constituído por 76 itens (escala tipo Likert de 5 pontos), distribuídos por cinco dimensões, que medem indicadores de exposição a riscos psicossociais e os seus efeitos.

Resultados: No estudo participaram 59 docentes, a maioria homens (50,8%), com idade entre os 41 e os 50 anos (45,8%), mestres (59%), professores adjuntos (47,5%), com vínculo laboral estável (68%) e a lecionar entre 11 e 17 horas semanais (64,4%). A análise das várias subescalas revelou risco psicossocial, mostrando que os docentes se encontravam em situação de vulnerabilidade. Existiram diferenças significativas entre os riscos vivenciados no ensino superior público e os experimentados no ensino superior privado. O sexo, idade, formação académica e categoria profissional influenciaram o tipo de risco psicossocial.

Conclusões: Confirma-se a importância da avaliação dos fatores de risco psicossociais no exercício da profissão docente no ensino superior. Reconhece-se como necessária a avaliação e gestão dos riscos psicossociais de forma a promover condições de trabalho saudáveis, garantir respeito e tratamento justo, bem como incentivar a promoção da conciliação da vida profissional e familiar, de modo a minimizar riscos psicossociais e situações de vulnerabilidade em docentes do ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Sara Lopes Borges, Instituto Superior Miguel Torga Coimbra, Portugal

Professora Auxiliar Equiparada. Doutoramento em Psicologia (Nuevos Contextos de Intervención Psicológica en Educación, Salud y Calidad) pela Universidade da Extremadura.

Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Cristina Santos, Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Professora Adjunta na Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Coimbra - Instituto Politécnico de Coimbra. Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

Referências

Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho. (2018). Os riscos psicossociais na Europa: Prevalência e estratégias de prevenção [Psychosocial risks in Europe: Prevalence and prevention strategies]. [URL]

Altman, D. G., & Bland, J. M. (1995). Statistics notes: The normal distribution. BMJ, 310(6975), 298-10. [Google Scholar] [CrossRef]

Álvarez-Flores, D. (2007). Satisfacción y fuentes de presión laboral en docentes universitarios de Lima metropolitana [Satisfaction and sources of work pressure in university teachers in metropolitan Lima]. Persona, 10, 49-97. [Google Scholar] [Redalyc]

Araújo, T. M., Sena, I. P., Viana, M. A., & Araújo, E. M. (2005). Mal-estar docente: Avaliação de condições de trabalho e saúde em uma instituição de ensino superior [Teacher malaise: Assessment of working conditions and health in a higher education institution]. Revista Baiana de Saúde Pública, 29(1), 6-21. [Google Scholar] [URL]

Borges, S. C. M. L. (2012). Satisfacción en el trabajo y salud mental en docentes de ensenanza superior de Coimbra [Satisfaction at work and mental health in teachers of higher education in Coimbra] (Doctoral dissertation, Universidad de Extremadura, Badajoz). [Google Scholar] [Handle]

Bueno, H. P. V. (2017). Fatores de riscos psicossociais em professores de escolas pantaneiras: Relações com transtornos mentais comuns e estresse ocupacional [Psychosocial risk factors in teachers of the Pantanal schools: Relationships with common mental disorders and occupational stress] (Doctoral dissertation, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande). [Google Scholar] [PDF]

Bustos, M. I. C. (2005). La realidad escolar cotidiana y la salud mental de los profesores [Daily school reality and mental health of teachers]. Revista Enfoques Educacionales, 7(1), 69-79. [Google Scholar] [PDF]

Capelo, M. R. T. F., & Calaça, Z. V. A. (2016). O poder preditivo do coping e do engagement no stresse laboral dos professores do ensino especial [The predictive power of coping and engagement in the stress of special education teachers]. Informes Psicológicos, 16(2), 13-25. [Google Scholar] [CrossRef]

Cardoso, S., Tavares, O., & Sin, C. (2015). The quality of teaching staff: Higher education institutions’ compliance with the European Standards and Guidelines for Quality Assurance — the case of Portugal. Educational Assessment, Evaluation and Accountability, 27(3), 205-222. [Google Scholar] [CrossRef]

Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2004). Análise fatorial do Maslach Burnout Inventory (MBI) em uma amostra de professores de instituições particulares [Factorial analysis of the Maslach Burnout Inventory (MBI) in a sample of teachers from private schools]. Psicologia em Estudo, 9(3), 499-505. [Google Scholar] [CrossRef]

Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2017). Riscos psicossociais associados à síndrome de burnout em professores universitários [Psychosocial risks associated with Burnout Syndrome among university professors]. Avances en Psicología Latinoamericana, 35(3), 447-457. [Google Scholar] [CrossRef]

Carlotto, M. S., & Palazzo, L. S. (2006). Síndrome de burnout e fatores associados: Um estudo epidemiológico com professores [Factors associated with burnout's syndrome: An epidemiological study of teachers]. Cadernos de Saúde Pública, 22(5), 1017-1026. [Google Scholar] [CrossRef]

Correia, V. (1997). Estudo do bem-estar e mal-estar na profissão docente em educação física: O stress profissional [Study of well-being and malaise in the teaching profession in physical education: Professional stress] (Unpublished master’s thesis). Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. [Google Scholar]

Cortez, P. A., Souza, M. V. R., Amaral, L. O., & Silva, L. C. A. (2017). A saúde docente no trabalho: Apontamentos a partir da literatura recente [Teachers health in the workplace: Evidence from recent literature]. Cadernos Saúde Coletiva, 25(1), 113-122. [Google Scholar] [CrossRef]

Costa, L. S., & Santos, M. (2013). Fatores psicossociais de risco no trabalho: Lições aprendidas e novos caminhos [Psychosocial risk factors at work: Lessons learned and the road ahead]. International Journal on Working Conditions, 1(5), 39-58. [Google Scholar] [URL]

Delgado, A. C., Fuentes, J. M. B., Quevedo, M. P. A., Salgado, A. R., Sánchez, A. C., Sanchez, T. S., . . . Yela, J. R. B. (1993). Revisión teórica del burnout o desgaste profesional en trabajadores de la docencia [Theoretical revision of burnout or professional burnout in teaching workers]. CAESURA, Revista Crítica das Ciências Sociais e Humanas, 2, 47-65. [Google Scholar]

Dipp, A. J., Flores, J. A. T., & Gutiérrez, R. V. (2010). Satisfacción laboral y compromiso institucional de los docentes de posgrado [Job satisfaction and institutional commitment of teachers of postgraduated courses]. Diálogos Educativos, 10(19), 119-130. [Google Scholar] [Dialnet]

Dunham, J. (2002). Stress in teaching (2nd ed.). London, UK: Routledge. [Google Scholar]

Esteve, J. M. (1992). O mal-estar docente [Teacher malaise]. Lisboa: Escher/ Fim de Século Edições. [Google Scholar]

European Commission. (2000). Guidance on work-related stress: Spice of like or kiss of death?. Luxembourg: Office for Official Publications of the European Communities. [PDF]

Ferreira, A. I., & Martinez, L. F. (2008). Manual de diagnóstico e mudança organizacional [Manual of diagnosis and organizational change]. Lisboa: RH Editora. [Google Scholar]

Ferreira, J. B., Machado, M. L., & Gouveia, O. (2012). A (in)satisfação dos académicos no ensino superior [The (dis)satisfaction of academics in higher education]. Educação, Sociedade e Culturas, 37, 129-139. [Google Scholar]

Ferreira, J. M. C., Neves, J. G., & Caetano, A. (2001). Manual de psicossociologia das organizações [Handbook of psychosociology of organizations]. Lisboa: McGraw-Hill. [Google Scholar]

Figueiroa, A., & Moreira, A. (2014). Initial teacher training: Contribution to an appropriate use of the experimental work. American Journal of Educational Research, 2(8), 629-634. [Google Scholar] [CrossRef]

Formosinho, J. (2001). A formação prática de professores: Da prática docente na instituição de formação à prática pedagógica nas escolas [The practical training of teachers: From the teaching practice in the training institution to the pedagogical practice in schools]. In B. P. Campos (Ed.), Formação profissional dos professores no ensino superior (pp. 46-64). Porto: Porto Editora. [Google Scholar]

Fragoeiro, J. R. A. G. (2011). Satisfação dos docentes do ensino superior [Satisfaction of higher education teachers] (Master’s thesis, Universidade da Madeira, Madeira). [Google Scholar] [Handle]

Franco, M. E. D. P. (2001). Comunidade de conhecimento, pesquisa e formação do professor do ensino superior [Community of knowledge, research, and training of teachers of higher education]. In M. C. Morosini (Ed.), Professor do ensino superior: Identidade, docência e formação (pp. 61-73). Brasília: Plano Editora. [Google Scholar]

Gago, A. R., & Correia, I. (2010). Reacções à injustiça no trabalho: Impacto da crença no mundo justo, da justiça procedimental e da justiça distributiva [Reactions to injustice at work: Impact of belief in the fair world, of procedural justice, and of distributive justice]. Análise Psicológica, 28(1), 59-70. [Google Scholar] [Scielo]

Gasparini, S. M., Barreto, S. M., & Assunção, A. A. (2005). O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde [The teacher, working conditions and their effects on his health]. Educação e Pesquisa, 31(2), 189-199. [Google Scholar] [CrossRef]

Gomes, A. F. P. (2014). O impacto dos fatores psicossociais na saúde mental [The impact of psychosocial factors on mental health] (Master’s thesis, Universidade de Aveiro, Aveiro). [Google Scholar] [Handle]

Heitor, M., & Horta, H. (2015). Reforming higher education in Portugal in times of uncertainty: The importance of illities, as non-functional requirements. Technological Forecasting and Social Change, 113(B), 146-156. [Google Scholar] [CrossRef]

Jacques, M. G. C. (2003). Abordagens teórico-metodológicas em saúde/doença mental e trabalho [Theorical and methodological approaches on mental health/disease and work]. Psicologia & Sociedade, 15(1), 97-116. [Google Scholar] [CrossRef]

Jesus, S. N. (1996). A motivação para a profissão docente: Contributo para a clarificação de situações de mal-estar e para a fundamentação de estratégias de formação de professores [The motivation for the teaching profession: Contribution to the clarification of malaise situations and to the foundation of teacher training strategies] (Doctoral dissertation, Universidade de Coimbra, Coimbra). [Google Scholar] [Handle]

Jesus, S. N. (2002). Perspectivas para o bem-estar docente - Uma lição de síntese [Prospects for teacher well-being - A synthesis lesson]. Porto: Edições ASA. [Google Scholar]

Jesus, S. N., Mosquera, J., Stobaus, C., Sampaio, A., Rezende, M., & Mascarenhas, S. (2011). Avaliação da motivação e do bem/mal-estar dos professores: Estudo comparativo entre Portugal e Brasil [Evaluation of motivation and well-being / malaise of teachers: A comparative study between Portugal and Brazil]. Revista AMAzônica, 7(2), 7-18. [Google Scholar] [Handle]

Kilimnik, Z. M., Neto, M. T. R., Santos, G. S., Malta, V. D., & Santos, M. F. (2015). O significado do trabalho: Um estudo com professores de administração em uma universidade [The meaning of the work: A study with management professors at a university]. Revista Lugares de Educação, 5(11), 3-27. [Google Scholar] [CrossRef]

Kristensen, T. S., & Borg, V. (2000). Copenhagen Psychosocial Questionnaire (COPSOQ). Copenhagen: National Institute of Occupational Health. [Google Scholar]

Kyriacou, C., & Sutcliffe, J. (1979). Teacher stress and satisfaction. Educational Research, 21(2), 89-96. [Google Scholar] [CrossRef]

Lima, M. F. E. M., & Lima-Filho, D. O. (2009). Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a [Work and health conditions of university professors]. Ciências & Cognição, 14(3), 62-82. [Google Scholar] [PDF]

Lluís, S. M., Serrano, C. L., Corominas, A. F., Camps, A. G., & Giné, A. N. (2008). Exposición a riesgos psicosociales entre la población asalariada en España (2004-05): Valores de referencia de las 21 dimensiones del cuestionario COPSOQ ISTAS21 [Psychosocial risk exposure among wage earning population in spain (2004-05): Reference values of the 21 dimensions of COPSOQ ISTAS21 questionnaire]. Revista Espanõla de Salud Pública, 82(6), 667-675. [Google Scholar] [CrossRef]

Machado-Taylor, M. L., Meira-Soares, V., Brites, R., Brites-Ferreira, J., Farhangmehr, M., Rocha Gouveia, O. M., & Peterson, M. (2016). Academic job satisfaction and motivation: Findings from a nationwide study in Portuguese higher education. Studies in Higher Education, 41(3), 541-559. [Google Scholar] [CrossRef]

Marqueze, E. C., & Moreno, C. R. C. (2009). Satisfação no trabalho e capacidade para o trabalho entre docentes universitários [Job satisfaction and work ability among college educators]. Psicologia em Estudo, 14(1), 75-82. [Google Scholar] [CrossRef]

Martinez, J. G. R. (1989). Cooling off before burnning out. Academic Therapy, 24(3), 271-284. [Google Scholar] [CrossRef]

Mendes, F. (1996). A saúde e a doença dos professores universitários [Health and disease of university professors]. Sociologia – Problemas e Práticas, 19, 165-187. [Google Scholar] [Handle]

Minter, R. L. (2009). Faculty burnout. Contemporary Issues in Education Research, 2(2), 1-8. [Google Scholar] [PDF]

Olivas, O. L. L., & Martínez, R. E. G. (2010). Satisfacción laboral y percepción de salud mental en profesores [Job satisfaction and perceived mental health among teachers]. Revista Mexicana de Investigación en Psicología, 2(1), 33-38. [Google Scholar] [URL]

Organização Internacional do Trabalho. (1981). Informe de la reunión paritária sobre las condiciones de trabajo del personal docente [Report of the joint meeting on the working conditions of teaching staff]. Genebra: Oficina Internacional del Trabajo. [PDF]

Pessoa, F. S. (2015). Um olhar psicológico sobre fatores psicossociais de proteção e risco em contexto laboral [A psychological view on psychosocial protection and risk factors in a work context] (Master’s thesis, Universidade de Aveiro, Aveiro). Aveiro, Aveiro. [Google Scholar] [Handle]

Peterson, R. A. (1994). A meta-analysis of Cronbach's coefficient alpha. Journal of Consumer Research, 21(2), 381-391. [Google Scholar] [CrossRef]

Rodrigues, M. L. (1995). Atitudes da população portuguesa perante o trabalho [Attitudes of the Portuguese population towards work]. Organizações e Trabalho, 14, 33-63. [Google Scholar]

Schluter, H. L., & Valdéz, J. L. (2001). Situación del académico en las universidades mexicanas [Professor situation in Mexican universities]. Revista Latinoamericana de Psicología, 33(3), 261-267. [Google Scholar] [Handle]

Silva, C., Amaral, V., Pereira, A., Bem-Haja, P., Pereira, A., Rodrigues, V., . . . Nossa, P. (2006). Copenhagen Psychosocial Questionnaire – Portugal e Países Africanos de língua oficial portuguesa [Copenhagen Psychosocial Questionnaire – Portugal and African countries with portuguese official language]. Aveiro: Análise Exacta – Consultadoria, Formação e Edição de Livros. [Google Scholar]

Silva, T. A. N., Aquino, L. J., Fernandes, V. L. S., Zani, H. P., Evora, P. R. B., & Vento, D. A. (2016). Fatores de riscos para doenças cardiovasculares em docentes de ensino superior: Revisão de literatura [Literatura risk factors for cardiovascular disease in university professor: Review]. Revista Educação em Saúde, 4(1), 108-113. [Google Scholar] [URL]

Sousa, I. F., & Mendonça, H. (2009). Burnout em professores universitários: Impacto de percepções de justiça e comprometimento afetivo [Burnout among university professors: impact of justice perceptions and affective commitment]. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(4), 499-508. [Google Scholar] [CrossRef]

Souza, K. R., Mendonça, A. L. O., Rodrigues, A. M. S., Felix, E. G., Teixeira, L. R., Santos, M. B. M., & Moura, M. (2017). A nova organização do trabalho na universidade pública: Consequências coletivas da precarização na saúde dos docentes [The new organization of labor at public universities: collective consequences of job instability on the health of teachers]. Ciência & Saúde Coletiva, 22(11), 3667-3676. [Google Scholar] [CrossRef]

Vilela, E. F., Garcia, F. C., & Vieira, A. (2013). Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: Estudo de caso em uma instituição pública [Experiences involving pleasure-suffering at the university teachers environment: Case study at a public institution]. Revista Eletrônica de Administração, 19(2), 517-540. [Google Scholar] [CrossRef]

Publicado
2018-02-28
Como Citar
Lopes Borges, S., Santos, C., Saraiva, A., & Pocinho, M. T. (2018). Avaliação de Fatores de Risco Psicossociais: estudo com docentes do ensino superior. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 4(1), 22-33. https://doi.org/10.31211/rpics.2018.4.1.54
Secção
Artigo Original