Percepção de brasileiros sobre morte digna

Resumo

Objetivos: A presente pesquisa objetivou averiguar a conceção de morte digna para a população brasileira.

Método: Foi realizada uma pesquisa exploratória, de levantamento nacional, de cunho quantitativo. Contou-se com uma amostra não probabilística acidental por conveniência composta por 412 brasileiros que responderam a “Escala de perceção de morte digna”, cujos dados foram analisados por meio de estatística descritiva e bivariada com auxílio do pacote estatístico SPSS (Statistical Package for Social Science) for Windows versão 22.

Resultados: Foi possível verificar que a morte digna implica, por ordem de prioridade, uma boa relação com a família (M = 5,99; DP = 0,73), manutenção da esperança e do prazer (M = 5,88; DP = 0,85), boa relação com a equipe profissional de saúde (M = 5,46; DP = 1,00), não ser um fardo para os demais (M = 5,38; DP = 1,09), ter controlo físico e cognitivo (M = 4,69; DP = 0,92) e ter controle do futuro (M = 4,57; DP = 1,14).

Conclusões: A conceção de boa morte é ampla e sua compreensão propicia o fortalecimento sobre procedimentos relacionados à “morte digna”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Cynthia de Freitas Melo Lins, Universidade de Fortaleza, Fortaleza/CE, Brasil Laboratório de Estudos e Práticas em Psicologia e Saúde CE, Brasil
Licenciada em Psicologia (2007). Psicóloga com formação em Terapia Cognitivo Comportamental e em Psicologia Hospitalar (2008). Especialista em Saúde Coletiva (2009). Especialista em Psicologia Cognitivo Comportamental (2011). Mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba (2009). Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2013). Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Stricto Sensu, atuando também na graduação como orientadora de trabalho de conclusão de curso. É coordenadora do Laboratório de Estudos e Práticas em Psicologia e Saúde (LEPP - Saúde). Suas atividades de ensino, pesquisa multimétodos e extensão concentram-se na Psicologia com interface em Saúde, Políticas Públicas e construção e validação de instrumentos psicológicos. Atua especialmente sobre as temáticas de interesse social amplo como processos relacionados à saúde e doença (física e mental), tanatologia, práticas e cuidados em saúde, tecnologias em saúde e avaliação de programas sociais

Referências

Alonso, J. P. (2016). El derecho a una muerte digna en Argentina: La judicialización de la toma de decisiones médicas en el final de la vida [The right to a dignified death in Argentina: The judicialization of end-of-life care decisions]. Revista de Saúde Coletiva, 26(2), 569-589. [Google Scholar] [CrossRef]

Ariès, P. (2003). História da morte no Ocidente: Da idade média aos nossos dias [History of death in the West: From the Middle Ages to our days]. Rio de Janeiro: Ediouro. [Google Scholar]

Biondo, C. A., Silva, M. J. P., & Secco, L. M. D. (2009). Dysthanasia, euthanasia, orthotanasia: The perceptions of nurses working in intensive care units and care implications. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 17(5), 613-619. [Google Scholar] [CrossRef]

Castro, M. P. R., Antunes, G. C., Marcon, L. M. P., Andrade, L. S., Rückl, S., & Andrade, V. L. A. (2016). Eutanásia e suicídio assistido em países ocidentais: Revisão sistemática [Euthanasia and assisted suicide in western countries: A systematic review]. Revista Bioética, 24(2), 355-367. [Google Scholar] [CrossRef]

Combinato, D. S., & Queiroz, M. S. (2006). Morte: Uma visão psicossocial [Death: A psychosocial view]. Estudos de Psicologia, 11(2), 209-216. [Google Scholar] [CrossRef]

Comin, L. T., Panka, M., Beltrame, V., Steffani, J. A., & Bonamigo, E. L. (2017). Percepção de pacientes oncológicos sobre terminalidade de vida [Perception of oncology patients on the terminality of life]. Revista Bioética, 25(2), 392-401. [Google Scholar] [CrossRef]

Conselho Federal de Medicina., (2006). Resolução n. 1.805/2006 do Conselho Federal de Medicina [Resolution n. 1.805/2006 of the Federal Council of Medicine]. Brasília. htm [Google Scholar] [URL]

Cozby, P. C. (2003). Métodos de pesquisa em ciências do comportamento [Research methods in behavioral sciences]. São Paulo, Brasil: Atlas S.A. [Google Scholar]

Emanuel, E. J., & Emanuel, L. L. (1998). The promise of a good death. The Lancet, 351(Special issue), 21-29. [Google Scholar] [CrossRef]

Felix, Z. C., Costa, S. F. G., Alves, A. M. P. M., Andrade, C. G., Duarte, M. C. S., & Brito, F. M. (2013). Eutanásia, distanásia e ortotanásia: Revisão integrativa da literatura [Euthanasia, dysthanasia, and orthothanasia: Integrative literature review]. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2733-2746. [Google Scholar] [CrossRef]

Ferreira, A. P. J., Souza, L. J., & Lima, A. A. F. (2011). O profissional de saúde frente à distanásia: Uma revisão integrativa [The health professional before distanasia: An integrative survey]. Revista Bioethikos, 5(4), 462-469. [Google Scholar]

http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/89/A14.pdf"> [PDF]

Guandalini, F. C. (2010). A transformação da relação do homem com a morte [The transformation of man's relationship with death] (Specialization monograph, Universidade Católica do Paraná, Curitiba). [Google Scholar] [URL]

Menezes, R. A., & Barbosa, P. C. (2013). A construção da "boa morte" em diferentes etapas da vida: Reflexões em torno do ideário paliativista para adultos e crianças [The construction of a "good death" at different stages of life: reflections on the palliative care approach for adults and children]. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2653-2662. [Google Scholar] [CrossRef]

Miyashita, M., Sanjo, M., Morita, T., Hirai, K., & Uchitomi, Y. (2007). Good death in cancer care: A nationwide quantitative study. Annals of Oncology, 18(6), 1090-1097. [Google Scholar] [CrossRef]

Morais, I. M., Nunes, R., Cavalcanti, T., Soares, A. K. S., & Gouveia, V. V. (2016). Percepção da “morte digna” por estudantes e médicos [Perception of “dignified death” for students and doctors]. Revista Bioética, 24(1), 108-117. [Google Scholar] [CrossRef]

Nunes, L. (2017). Do ensino da bioética e as escolhas temáticas dos estudantes [The teaching of bioethics and the thematic choices of students]. Revista Bioética, 25(3), 512-526. [Google Scholar] [CrossRef]

Sanchez y Sanches, K.M., & Seidl, E. M. F. (2013). Ortotanásia: Uma decisão frente à terminalidade [Orthothanasia: A decision upon facing terminality]. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 17(44), 23-34. [Google Scholar] [CrossRef]

Santana, J. C. B., Dutra, B. S., Carlos, J. M. M., & Barros, J. K. A. (2017). Ortotanásia nas unidades de terapia intensiva: Percepção dos enfermeiros [Orthothanasia in intensive care units: Perception of nurses]. Revista Bioética, 25(1), 158-167. [Google Scholar] [CrossRef]

Santana, J. C. B., Santos, A. V., Silva, B. R., Oliveira, D. C. A., Caminha, E. M., Peres, F. S., . . . Viana, M. B. O. (2013). Docentes de enfermagem e terminalidade em condições dignas [Nursing professors and the terminality in conditions of dignity]. Revista Bioética, 21(2), 298-307. [Google Scholar] [CrossRef]

Santos, M. F. G., & Bassitt, D. P. (2011). Terminalidade da vida em terapia intensiva: Posicionamento dos familiares sobre ortotanásia [End of life in intensive care: Family members' acceptance of orthotanasia]. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 23(4), 448-454. [Google Scholar] [CrossRef]

Silva, C. C. (2013). A morte e a elaboração do luto na visão de alguns autores [Death and mourning in the eyes of some authors] (Obtention of the title of specialist, Universidade Estadual do Vale do Acaraú, Brasil). [Google Scholar] [URL]

Silva, R. S., Evangelista, C. L. S., Santos, R. D., Paixão, G. P. N., Marinho, C. L. A., & Lira, G. G. (2016). Percepção de enfermeiras intensivistas de hospital regional sobre distanásia, eutanásia e ortotanásia [Perception of intensive care nurses in regional hospital on dysthanasia, euthanasia and orthothanasia]. Revista Bioética, 24(3), 579-589. [Google Scholar] [CrossRef]

Steinhauser, K. E., Clipp, E. C., McNeilly, M., Christakis, N. A., McIntyre, L. M., & Tulsky, J. A. (2000). In search of a good death: Observations of patients, families, and providers. Annals of Internal Medicine, 132(10), 825-832. 00011 [Google Scholar] [CrossRef]

Temel, J. S., Greer, J. A., Muzikansky, A., Gallagher, E. R., Admane, S., Jackson, V. A., ... Lynch, T. J. (2010). Early palliative care for patients with metastatic non-small-cell lung cancer. Boston Medical and Surgical Journal, 363(8), 733-742. [Google Scholar] [CrossRef]

Vane, M. F., & Posso, I. P. (2011). Opinião dos médicos das Unidades de Terapia Intensiva do Complexo Hospital das Clínicas sobre a ortotanásia [Perception of physicians of Intensive Care Units of the Clinicas Hospital Complex about orthothanasia]. Revista Dor, 12(1), 39-45. [Google Scholar] [CrossRef]

Wanssa, M. C. D. (2012). Morte digna e lugar onde morrer: Percepção de pacientes oncológicos e de seus familiares [Dignified death and place to die: Perception of cancer patients and their relatives] (Doctoral dissertation, Faculdade de Medicina, Porto). Medicina, Porto. [Google Scholar] [URL]

Publicado
2018-02-28
Como Citar
Lins, C. de F. M., Bezerra, G. A. M., & Lima, K. G. (2018). Percepção de brasileiros sobre morte digna. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 4(1), 14-21. https://doi.org/10.31211/rpics.2018.4.1.71
Secção
Artigo Original