Preditores da qualidade de vida e de suporte social percebido em pessoas com doença mental crónica: Estudo preliminar

Palavras-chave: Doença mental, Institucionalização, Qualidade de vida, Suporte social percebido

Resumo

Objetivos: As políticas de Saúde Mental privilegiam as práticas que incentivem a desinstitucionalização; contudo muitas pessoas com doença mental crónica permanecem institucionalizadas, competindo às instituições de saúde contribuir para melhorar a sua Qualidade de Vida e a perceção de Suporte Social. Este estudo pretende caracterizar uma amostra de pessoas com doença mental crónica institucionalizadas e identificar as variáveis preditoras da Qualidade de Vida e de Suporte Social Percebido.

Métodos: Neste estudo de design transversal e descritivo-correlacional, participaram 60 mulheres institucionalizadas, com diagnóstico de Esquizofrenia ou Perturbação Bipolar. Utilizou-se um Questionário Sociodemográfico, o Questionário Breve de Avaliação da Qualidade de Vida (Vaz Serra et al., 2006) e a Escala de Satisfação com Suporte Social (Pais-Ribeiro, 1999).

Resultados: As análises de regressão múltipla efetuadas demonstraram que a Perceção de Felicidade é preditora da Qualidade de Vida e do Suporte Social Percebido; a Perceção do Estado de Saúde é preditora da Qualidade de Vida e a Satisfação com a Comunidade é preditora do Suporte Social Percebido.

Conclusões: Ao nível das principais conclusões e como implicações para a prática clínica, destaca-se a importância que um maior sentimento de pertença e de satisfação com a comunidade têm na Qualidade de Vida e no Suporte Social Percebido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, P. (2007). Guia prático de estatística em investigação epidemiológica: SPSS. Lisboa: Climepsi Editores. [Google Scholar]

Antunes, C., & Fontaine, A. M. (2010, fevereiro). Adaptação de uma Escala de Avaliação do Suporte Social - NOS (Network Orientation Scale). Paper presented at the VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia (pp. 15–29). Braga, Portugal. [Google Scholar] [Handle]

Caldas de Almeida, J. M., & Xavier, M. (2013). Estudo epidemiológico nacional de saúde mental: Iº relatório. [Google Scholar] [PDF]

Canavarro, M. C. (2010). Qualidade de vida: Significados e níveis de análise. In M. C. Canavarro & A. Vaz-Serra (Eds.), Qualidade de vida e saúde: Uma abordagem na perspectiva da Organização Mundial de Saúde (pp. 3–22). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. [Google Scholar]

Canavarro, M. C., Simões, M. R., Vaz-Serra, A., Pereira, M., Rijo, D., Quartilho, M. J., … Carona, C. (2007). Instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde: WHOQOL-Bref. In M. Simões, C. Machado, M. Gonçalves, & L. Almeida (Eds.), Avaliação psicológica: Instrumentos validados para a população portuguesa (Vol. III, pp. 77–100). Coimbra: Quarteto Editora. [Google Scholar]

Chan, Y. K., & Lee, R. P. L. (2006). Network size, social support and happiness in later life: A comparative study of Beijing and Hong Kong. Journal of Happiness Studies, 7(1), 87–112. [Google Scholar] [CrossRef]

Cloninger, C. R., & Zohar, A. H. (2011). Personality and the perception of health and happiness. Journal of Affective Disorders, 128(1-2), 24–32. [Google Scholar] [CrossRef]

Elvas, S., & Moniz, M. J. V. (2010). Sentimento de comunidade, qualidade e satisfação de vida. Análise Psicológica, 28(3), 451–464. [Google Scholar] [Scielo]

Ferreira, M., & Guerra, M. P. (2014). Adaptação à lesão vertebro-medular. Psicologia, Saúde & Doenças, 15(2), 380–395. [Google Scholar] [Scielo]

Figueiredo, A., L., Souza, L., Dell´Ágilo Jr, J. C., & Argimon, I. I. L. (2009). O uso de psicoeducação no tratamento do transtorno bipolar. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 11(1), 15–24. [Google Scholar] [URL]

Lara, G. A., & Monteiro, J. K. (2014). Reabilitação psicossocial de pessoas com transtornos psicóticos: Atuação dos psicólogos nos CAPS de Santa Catarina. Contextos Clínicos, 7(1), 49–61. [Google Scholar] [CrossRef]

Marques, V. F. B. (2011). Influência do suporte social e dos estilos de coping na perceção de bem-estar subjetivo em doentes mentais crónicos (Master’s thesis, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra). [Google Scholar] [PDF]

Ornelas, J. (2008). Psicologia comunitária. Lisboa: Fim de Século. [Google Scholar]

Pais-Ribeiro, J. L. (1999). Escala de Satisfação com o Suporte Social (ESSS). Análise Psicológica, 17(3), 547–558. [Google Scholar] [Scielo]

Park, N., & Peterson, C. (2009). Achieving and sustaining a good life. Perspectives on Psychological Science, 4(4), 422–428. [Google Scholar] [CrossRef]

Passareli, P. M., & Silva, J. A. (2007). Psicologia positiva e o estudo do bem-estar subjetivo. Estudos de Psicologia, 24(4), 513–517. [Google Scholar] [Scielo]

Pedroso, B., & Pilatti, L. A. (2010). Avaliação de indicadores da área da saúde: A qualidade de vida e suas variantes. Revista Eletrônicada Faculdade Integrada de Itaré, 1(1), 1–9. [Google Scholar] [URL]

Pereira, É. F., Teixeira C. S., & Santos, A. (2012). Qualidade de vida: Abordagens, conceitos e avaliação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 26(2), 241–250. [Google Scholar] [CrossRef]

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2008). Análise de dados para Ciências Sociais: A complementaridade do SPSS (5th ed.). Lisboa: Edições Sílabo. [Google Scholar]

Quartilho, M. J. R. (2010). Qualidade de vida, felicidade, saúde, bem-estar, satisfação. Pessoas, sociedades, culturas. O que importa? In M. C. Canavarro & A. Vaz-Serra (Eds.), Qualidade de vida e saúde: Uma abordagem na perspectiva da Organização Mundial de Saúde (pp. 55–128). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. [Google Scholar]

Souza, L. A., & Coutinho, E. S. F. (2006). Factores associados à qualidade de vida de pacientes com esquizofrenia. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28(1), 50–58. [Google Scholar] [CrossRef]

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2013). Using multivariate statistics (6th ed.). Boston: Pearson Education. [Google Scholar]

Taylor, S. E., Kemeny, M. E., Reed, G. M., Bower, J. E., & Gruenewald, T. L. (2000). Psychological resources, positive illusions, and health. American Psychologist, 55(1), 99–109. [Google Scholar] [CrossRef]

Teixeira, M. B. (2005). Qualidade de vida de familiares cuidadores do doente esquizofrênico. Revista Brasileira de Enfermagem, 58(2), 171–175. [Google Scholar] [CrossRef]

Vaz Serra, A., Canavarro, M. C., Simões, M. R., Pereira, M., Gameiro, S., Quartilho, M. J., ... Paredes, T. (2006). Estudos psicométricos do instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-Bref) para Português de Portugal. Psiquiatria Clínica, 27(1), 41–49. [Google Scholar] [PDF]

Violante, C. D. F. (2012). Programas de reabilitação psicossocial em pessoas com doença mental crónica: Impacto na perceção de qualidade de vida e de suporte social (Master’s thesis, Instituto Politécnico de Bragança, Bragança). [Google Scholar] [Handle]

World Health Organization. (1997). WHOQOL measuring quality of life. Geneva: WHO. [Handle]

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Ribeiro, C. M., Salvador, R. V. A., & Carvalho, P. S. (2019). Preditores da qualidade de vida e de suporte social percebido em pessoas com doença mental crónica: Estudo preliminar. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 5(1), 14-24. https://doi.org/10.31211/rpics.2019.5.1.100
Secção
Artigo Original