Rede social pessoal de jovens acolhidos em Lares de Infância e Juventude

Resumo

Objetivos: A rede social pessoal tem sido considerada um fator de proteção importante para lidar com a adversidade. Este estudo pretende caracterizar as redes sociais pessoais de jovens em regime de acolhimento prolongado, comparando os resultados segundo o sexo.

Métodos: Participaram neste estudo 84 jovens, 49 raparigas e 35 rapazes, com idades entre os 12 e os 20 anos (M ± DP = 15,26 ± 2,17), acolhidos em 6 Lares de Infância e Juventude do distrito de Santarém (Portugal), tendo sido avaliados com o Instrumento de Análise da Rede Social Pessoal para caracterizar as dimensões estrutural, funcional e relacional-contextual das redes.

Resultados: As redes dos jovens em situação de acolhimento residencial são constituídas, em média, por 12 elementos, são fragmentadas, diversificadas e predominantemente compostas por familiares. O nível de apoio social percebido é elevado, especialmente na função emocional e informativa, registando-se uma elevada satisfação com o suporte social. A frequência de contactos com os membros da rede associa-se à distância geográfica. Quanto à análise segundo o sexo, os rapazes apresentam redes ligeiramente maiores e valorizam mais as relações familiares que as raparigas (p < 0,05). As raparigas identificam mais elementos de famílias amigas (p < 0,05), tendem a identificar redes mais diversificadas e mais densas, assim como percebem as relações como sendo mais simétricas (p < 0,05). As raparigas identificam redes maioritariamente femininas e os rapazes tendencialmente masculinas (p < 0,01). Os rapazes percebem maiores níveis de apoio informativo (p = 0,031), companhia social (p = 0,040) e acesso a novos contactos (p = 0,001).

Conclusões: Este estudo confirma a importância da família para os jovens em regime de acolhimento, apesar da distância, da frequência de contactos e dos motivos subjacentes ao acolhimento. Estas conclusões remetem-nos para a importância de perceber a perspetiva dos próprios jovens sobre as suas relações interpessoais, de forma a potenciar o suporte social informal e a planificar um processo de autonomização sustentado.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Sandrine Dias, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Assistente social. Mestre em Psicologia Clínica.

Joana Sequeira, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Professora Auxiliar. Psicóloga. Terapeuta Familiar. Doutorada em Psicologia Clínica.

Sónia Guadalupe, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Professora Auxiliar. Assistente Social. Terapeuta Familiar. Doutorada em Saúde Mental. Investigadora do CEPESE. Investigadora Associada do CIES.

Referências

Amorim, D. (2011). Laços familiares, consequências e desafios na situação de menores em risco. In M. E. Leandro (Ed.), Laços familiares e sociais (pp. 173-200). Viseu: Psicosoma. [Google Scholar]

Alarcão, M., & Sousa, L. (2007). Rede social pessoal: Do conceito à avaliação. Psychologica, 44, 353-376. [Google Scholar] [Handle]

Alberto, I. (2008). «Como pássaros em gaiolas»? In C. Machado & R. A. Gonçalves (Eds.), Violência e vítimas de crimes: Crianças (3rd ed.) (pp. 209-227). Coimbra: Quarteto. [Google Scholar]

Alves, S. N. (2007). Filhos da madrugada: Percursos em lares de infância e juventude. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. [Google Scholar]

Andrade, G. R. B., & Vaitsman, J. (2002). Apoio social e redes: Conectando solidariedade e saúde. Ciência e Saúde Colectiva, 7(4), 925-934. [Google Scholar] [CrossRef]

Antunes, R., Sequeira, J., & Alarcão, M. (2011). Personal social network and perceives life quality in teenagers. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 1(2), 335-346. [Google Scholar] [PDF]

Araújo, J. (2012). Auto conceito, qualidade de vida e rede social em jovens institucionalizados (Unpublished master’s thesis). Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra.

Arteaga, A B., & del Valle, J. F. (2001). Evaluación de la integración social en acogimiento residencial. Psicothema, 13(2), 197-204. [Google Scholar] [PDF]

Arteaga, A B., & del Valle, J. F. (2003). Las redes de apoyo social de los adolescentes acogidos en residencias de protección. Un análisis comparativo com pobláción normativo. Psicothema, 15(1), 136-142. [Google Scholar] [PDF]

Blakeslee, J. E. (2015). Measuring the support networks of transition-age foster youth: Preliminary validation of a social network assessment for research and practice. Children and Youth Services Review, 52, 123-134. [Google Scholar] [CrossRef]

Born, M., & Lionti, A-M. (1996). Familles pauvres et intervention en réseau. Paris: L’Harmattan. [Google Scholar]

Bourdon, S. (2009). Relaciones sociales y trayectorias biográficas: Hacia un enfoque comprensivo de los modos de influencia. REDES – Revista Hispana Para el Análisis de Redes Sociales, 16(6), 159-177. [Google Scholar] [CrossRef]

Brito, R. C., & Koller, S. H. (1999). Desenvolvimento humano e redes de apoio social e afetivo. In A. M. Carvalho (Ed.) (1999). O Mundo Social da Criança: Natureza e Cultura em Ação (pp. 115-130). São Paulo: Casa do Psicólogo. [Google Scholar]

Bronfenbrenner, U. (1979). The ecology of human development: Experiments by nature and design. Cambridge: Harvard University Press. [Google Scholar]

Browne, K. (2009). The risk of harm to young children in institutional care. UK: Save the Children. [Google Scholar] [PDF]

Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M., & Pontes, F. A. R. (2007). Institucionalização precoce e prolongada de crianças: discutindo aspetos decisivos para o desenvolvimento. Aletheia, 25, 20-34. [Google Scholar] [PDF]

Cepa, C. M. A. S. (2011). As redes sociais pessoais das crianças em acolhimento residencial: O papel dos centros de acolhimento temporário (Master thesis). [Google Scholar] [RCAAP]

Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco. (s.d.). Guia de orientações para os profissionais da ação social na abordagem de situações de maus tratos ou outras situações de perigo. [PDF]

Dell’ Aglio, D. D. (2000). O processo de coping, institucionalização e eventos de vida em crianças e adolescentes (Doctoral thesis). [Google Scholar] [Handle]

Dolan, P., Canavan, J., & Brady, B. (2008). Youth mentoring and the parent-young person relationship: considerations for research and practice. Youth & Policy, 99, 33-42. [Google Scholar] [Handle]

Farmer, E., Selwyn, J., & Meakings, S. (2013). 'Other children say you're not normal because you don't live with your parents'. Children's views of living with informal kinship carers: Social networks, stigma and attachment to cares. Child and Family Social Work, 18(1), 25-34. [Google Scholar] [CrossRef]

Fernández del Valle, J., & Bravo, A. (2000). Estructura y dimensiones de apoyo en la red social de los adolescentes. Anuario de Psicologia, 31(2), 87-105. [Google Scholar] [URL]

Gomes, I. (2010). Acreditar no futuro. Alfragide: Texto Editores. [Google Scholar]

Guadalupe, S. (2001). Intervenção em rede e doença mental. Paper presented at the II Encontro de Serviço Social em saúde Mental: Novas perspectivas of Hospital Sobral Cid, Coimbra. [Google Scholar] [PDF]

Guadalupe, S. (2009). Intervenção em Rede: Serviço social, sistémica e redes de suporte social. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. [Google Scholar]

Guadalupe, S., & Alarcão, M. (2009). Instrumento de análise da rede social pessoal: Versão revista sumária – Manual para o utilizador. Unpublished manuscript, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Habigzang, L. F., Azevedo, G. A., Koller, S. H., & Machado, P. X. (2006). Fatores de risco e de proteção na rede de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 379-386. [Google Scholar] [CrossRef]

Hespanha, P., Damas, A., Ferreira, A. C., Nunes, M. H., Hespanha, M. J., Madeira. R., van den Hoven, R., & Portugal, S. (2002). Globalização insidiosa e excludente. Da incapacidade de organizar respostas à escala local. In P. Hespanha, & G. Carapinheiro (Eds.), Risco social e incerteza: Pode o estado recuar mais? (pp. 25-54). Porto: Afrontamento. [Google Scholar]

Instituto de Segurança Social, I.P. (2005). Manual de boas práticas: Um guia para o acolhimento residencial das crianças e jovens. [Google Scholar] [URL]

Instituto de Segurança Social, IP. (2015). CASA 2014: Caracterização anual da situação de acolhimento das crianças e jovens. [Google Scholar] [URL]

Janeiro, N. E. F. (2011). Utilização do mapa de rede no rendimento social de inserção: construção de um guião de entrevista e desenho de um programa de formação específico para técnicos de intervenção social e comunitária. Unpublished manuscript, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal. [Google Scholar] [Handle]

Leandro, A., Alvarez, D. L., Cordeiro, M., & Carvalho, R. (2006). Manual de boas práticas: Um guia para o acolhimento residencial para crianças e jovens - para dirigentes, profissionais, crianças, jovens e familiares. Lisboa: Instituto de Segurança Social, I.P. [Google Scholar]

Livi, K., Berger, C., & Schneider, M. I. (2009). Violência: Prevenção, manejo e identificação de vulnerabilidades na infância e adolescência. In M. L. M. Lenz, & R. Flores (Eds.), Atenção à saúde da criança de 0 a 12 anos (pp. 129-141). Porto Alegre: Editora Hospital Nossa Senhora da Conceição S.A. [PDF]

Lopes, R., & Moleiro, C. (2012). Avaliação do suporte social de crianças e jovens: Estudo de validação da Escala de Perceção de Suporte da Família Pares e Professores. In M. M. Calheiros, M. V. Garrido, & S. V. Santos (Eds.) Crianças em Risco e Perigo: Contextos, investigação e intervenção (vol. 2, pp. 139-155). Lisboa: Edições Sílabo. [Google Scholar]

Magalhães, T. (2005). Maus tratos em crianças e jovens (4rd ed.). Coimbra. Quarteto. [Google Scholar]

Martín, E., & Dávila, L. M. (2008). Redes de apoyo social e adaptación de los menores en acogimiento residencial. Psicothema, 20(2), 229-235. [Google Scholar] [PDF]

Martins, P. C. M. (2004). Proteção de crianças e jovens em itinerários de risco: Representações sociais, modos e espaços (Doctoral thesis). [Google Scholar] [PDF]

Martins, P. C. M. (2005). A qualidade dos serviços de proteção às crianças e jovens: As Respostas Institucionais. Paper presented at the IV Encontro Cidade Solidária: Crianças em risco: será possível converter o risco em oportunidade? of Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa. [Google Scholar] [PDF]

Mc Mahon, C., & Curtin, C. (2013). The sociais networks of young people in Ireland with experience of long-term foster care: some lesson for policy and practice. Child and Family Social Work, 18(3), 329-340. [Google Scholar] [CrossRef]

Mendes, E. A. S. (2011). Redes sociais pessoais e perceção da qualidade de vida das crianças e jovens institucionalizados. O papel das famílias amigas (Master Thesis). [Google Scholar] [PDF]

Moral, J. C. M., Miguel, J. M. T., & Pardo, E. N. (2007). Análisis de las redes sociales en la vejez a través de la entrevista Manheim. Salud Pública de México, 49(6), 408-414. [Google Scholar] [Scielo]

Mota, C. P., & Matos, P. M. (2008). Adolescência e institucionalização numa perspectiva de vinculação. Psicologia & Sociedade, 20(3), 367-377. [Google Scholar] [CrossRef]

Mota, C., & Matos, P. (2010). Adolescentes institucionalizados: o papel das figuras significativas na predição da assertividade, empatia e auto-controlo. Análise Psicológica, 28(2), 245-254. [Google Scholar] [CrossRef]

Nunes, M. A. C. (2010). Auto-conceito e suporte social em adolescente em acolhimento (Master Thesis). [Handle]

Ordem dos Psicólogos Portugueses. (2011). Código deontológico da ordem dos psicólogos Portugueses. [Google Scholar] [URL]

Pardo, E. N., Moral, J. C. M., & Miguel, J. M. T. (2008). Análisis de las redes sociales en la vejez en función de la edad y el género. Revista Multidisciplinar de Gerontología, 18(1), 19-25. [Google Scholar] [URL]

Parente, C., Mendes, E., Oliveira, V., & Martins, P. (2014). As redes sociais pessoais de crianças e jovens em perigo em regime de acolhimento residencial. In M. Calheiros & M. Garrido (Eds.), Crianças em risco e perigo. Contextos, investigação e intervenção (vol. 4, pp. 77-101). Lisboa: Edições Sílabo. [Google Scholar]

Penha, M. T. (1996). Crianças em risco. Lisboa: Direção Geral da Ação Social. [Google Scholar] [URL]

Pereira, S. E. F. N. (2009). Redes de adolescentes em contexto de vulnerabilidade social e a sua relação com os riscos de envolvimento com o tráfico de drogas (Doctoral dissertation). [Google Scholar] [Handle]

Pereira, V. N. (2010). Jovens Institucionalizados: Rede de suporte social e sua autonomização (Unpublished master's thesis). Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra.

Portugal, S. (2014). Famílias e redes sociais. Ligações fortes na produção de bem-estar. Coimbra: CES, Almedina. [Google Scholar]

Proctor, C. D., Groza, V. K., & Rosenthal, J. A. (n.d.). Social support and adoptive families of children with special needs. [Google Scholar] [PDF]

Ramião, T. A. (2007). Lei de proteção de crianças e jovens em perigo – anotada e comentada (5th ed.). Lisboa: Quid Juris – Sociedade Editora. [Google Scholar]

Redondo, J., Pimentel, I., & Correia, A. (2012). SARAR – Sinalizar, Apoiar, Registar, Avaliar, Referenciar: Uma proposta de manual para profissionais de saúde na área da violência familiar/entre parceiros íntimos. Coimbra: Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. [Google Scholar]

Sani, A. I. M. (2004). As crenças, o discurso e a ação: As construções de crianças expostas à violência interparental (Doctoral dissertation). [Google Scholar] [Handle]

Siqueira, A. C. (2006). Instituições de abrigo, família e rede de apoio social e afetivo em transições ecológicas na adolescência (Master thesis). [Handle]

Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalização na infância e adolescência: Uma revisão da literatura. Psicologia & Sociedade, 18(11), 71-80. [Google Scholar] [CrossRef]

Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2007). Retornando para a família de origem: Fatores de risco e proteção no processo de reintegração de uma adolescente institucionalizada. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, 17(3), 134-146. [Google Scholar] [Scielo]

Siqueira, A. C., Betts, M. K., & Dell’ Aglio, D. D. (2006). A rede de apoio social e afetivo de adolescentes institucionalizados no sul do Brasil. Revista Interamericana de Psicologia, 40(2), 149-158. [Google Scholar]

Siqueira, A. C., Tubino, C. L., Schwarz, C., & Dell’ Aglio, D. D. (2009). Perceção das figuras parentais na rede de apoio de crianças e adolescentes institucionalizados. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 61(1), 176-190. [Google Scholar] [Redalyc]

Sluzki, C. E. (1996). La red social: frontera de la practica sistémica. Barcelona: Editorial Gedisa. [Google Scholar]

Sluzki, C. E. (2000). Social network and the elderly: Conceptual and clinical issues, and a family consultation. Family Process, 39(3), 271-284. [Google Scholar] [CrossRef]

Sluzki, C. E. (2007). Famílias e rede. In Fernandes, L., & Santos, M. R. (Coord). Terapia familiar, redes e poética social (pp. 95-119). Lisboa: Climepsi. [Google Scholar]

Publicado
2016-02-29
Como Citar
Dias, S., Sequeira, J., & Guadalupe, S. (2016). Rede social pessoal de jovens acolhidos em Lares de Infância e Juventude. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 2(1), 25-37. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2016.2.1.25
Secção
Artigo Original