Editorial: A validade nos instrumentos de avaliação

  • Helena Espirito Santo Instituto Superior Miguel Torga | Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental , Universidade de Coimbra http://orcid.org/0000-0003-2625-3754

Resumo

Face ao número crescente de artigos sobre a validação e usos de instrumentos de avaliação que chegam à RPICS, talvez seja o momento para refletir sobre a questão da validade dos mesmos. A RPICS espera que os autores nos seus artigos discutam explicitamente sobre a validade dos instrumentos na secção dos Métodos.  Caso os autores utilizem um instrumento estudado previamente com o mesmo formato, com as mesmas características de sujeitos e para o mesmo objetivo, então é suficiente citar a referência prévia. Caso o instrumento seja modificado, o número de itens alterado, o objetivo diferente ou o ponto de corte se modifique, então é necessário apresentar informação suplementar sobre a adaptação. No caso de novos instrumentos criados pelos autores, é essencial explicitar o decurso da elaboração, as medidas de confiabilidade, os resultados do estudo piloto e outras informações que credibilizem o uso do instrumento de avaliação. Seguem-se alguns conceitos fundamentais no domínio da validade e confiabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Helena Espirito Santo, Instituto Superior Miguel Torga | Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental , Universidade de Coimbra
Professora Auxiliar, Instituto Superior Miguel Torga. Coordenadora do Departamento de Investigação & Desenvolvimento do Instituto Superior Miguel Torga. Colaboradora no Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental, Universidade de Coimbra. Coimbra, Portugal  

Referências

American Educational Research Association., American Psychological Association., & National Council on Measurement in Education/AERA-APA-NCME. (1999). Standards for educational and psychological testing. Washington, DC: American Educational Research Association. [Google Scholar]

Cook, D. A., & Beckman, T. J. (2006). Current concepts in validity and reliability for psychometric instruments: Theory and application. The American Journal of Medicine, 119(2), 7-16. [Google Scholar] [CrossRef]

Cronbach, L. J., & Meehl, P. E. (1955). Construct validity in psychological tests. Psychological Bulletin, 52(4), 281-302. [Google Scholar] [CrossRef]

Cronbach, L. J., Schönemann, P., & McKie, D. (1965). Alpha coefficients for stratified-parallel tests. Educational and Psychological Measurement, 25(2), 291-312. [Google Scholar] [CrossRef]

Downing, S. M. (2004). Reliability: On the reproducibility of assessment data. Medical Education, 38(9), 1006-1012. [Google Scholar] [CrossRef]

Kuder, G. F., & Richardson, M. W. (1937). The theory of the estimation of test reliability. Psychometrika, 2(3), 151-160. [Google Scholar] [CrossRef]

Li, H., Rosenthal, R., & Rubin, D. B. (1996). Reliability of measurement in psychology: From Spearman-Brown to maximal reliability. Psychological Methods, 1(1), 98-107. [Google Scholar]

Marôco, J., & Garcia-Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas? Laboratório de Psicologia, 4(1), 65-90. [Google Scholar] [Handle]

Pasquali, L. (2009). Psicometria [Psychometrics]. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(Esp), 992-999. [Google Scholar] [CrossRef]

Spearman, C. (1910). Correlation calculated from faulty data. British Journal of Psychology, 3(3), 271-295. [Google Scholar] [CrossRef]

Publicado
2017-02-28
Como Citar
Espirito Santo, H. (2017). Editorial: A validade nos instrumentos de avaliação. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 3(1), 1. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.1.49
Secção
Editorial