Rede Social de Pessoas com Consumos Aditivos e Dependências

Ana Paula Caetano, Sónia Guadalupe

Resumo


Objetivos: As redes sociais desempenham um papel central na qualidade de vida da pessoa com comportamentos aditivos, determinantes, tanto na manutenção como na compensação e na reabilitação destes comportamentos. Este estudo tem como objetivo caracterizar as redes sociais de pessoas com consumos aditivos e dependências em situação ou risco de exclusão social.

Métodos: Participaram no estudo 30 sujeitos consumidores de substâncias psicoativas, com idades compreendidas entre os 24 e os 65 anos (M ± DP = 43,03 ± 10,10), a maioria do sexo masculino (80,0%), não tendo fonte de rendimentos na maior parte (46,7%) ou sendo apoiados por medidas de política social (53,3%). A maioria tem como substância principal de consumo a heroína (63,3%). Avaliámos as dimensões estrutural, funcional e relacional-contextual das suas redes com o Instrumento de Análise da Rede Social Pessoal.

Resultados: As redes dos inquiridos são constituídas, em média, por 7 elementos, predominando as relações familiares; são fragmentadas, constituídas essencialmente por membros das redes primárias, ainda que as secundárias representem cerca de ¼ dos membros. A reciprocidade e o nível de apoio social percebido são elevados, assim como o apoio emocional e informativo. Os indivíduos inquiridos, na sua maioria, refere ter membros na rede com CAD na rede social (77,0%), relações que ocupam mais de 20,0% do tamanho das redes. Analisámos comparativamente as redes segundo privação material e de abrigo, não tendo emergido diferenças significativas (p > 0,05), ainda que os perfis de rede sugiram diferentes estratégias de ativação do suporte.

Conclusões: O estudo confirma a importância da avaliação da rede social em pessoas com comportamentos aditivos e dependências. A planificação da intervenção social deve integrar as características da rede pertinentes para o suporte na redução do uso abusivo de substâncias e dos riscos associados, assim como para a promoção do bem-estar social e da cidadania. 




DOI: http://dx.doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.1.44

Palavras-chave


Consumos aditivos e dependências; Exclusão social; Rede social; Serviço social; Suporte social; Vulnerabilidade social

Texto Completo:

PDF

Referências


Alarcão, M. e Sousa, L. (2007). Rede social pessoal: do conceito à avaliação. Psychologica, 44, 353-376.

Andrade, P. Carapinha, L., Sampaio, M., Shirley, S., Rodrigues, I., & Silva, M. (2007). Para além do espelho a intervenção de proximidade nas toxicodependências. Toxicodependências, 13(2), 9–23.

Barbosa, J. (2011). Enfrentar “novos riscos” e resgatar a cidadania perdida: práticas de Serviço Social no seio das políticas de redução de danos. Toxicodependências, 17(1), 71-84.

Bohnert, A., Bradshaw, C. e Latkin, C. (2009). A social network perspective on heroin and cocaine use among adults: evidence of bidirectional influences. Addiction, 104, 1210-1218. doi: doi:10.1111/j.1360-0443.2009.02615.x.

Born, M. e Lionti, A.M. (1996). Familles pauvres et intervention en réseau. Paris: L’Harmattan.

Botella, H. C. (2007). Redes de Apoyo para la integración social: La família. Salud e drogas, 7(1), 45-56.

Castel, R. (2003 [1995]). As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário (4.ª edição]. Pertópolis: Vozes.

Cavalcante, L., Falcão, R., Lima H., Marinho A., Macedo, J. e Braga, V. (2012). Rede de apoio social ao dependente químico: ecomapa como instrumental na assistência em saúde. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste 13(2),321-331.

Chadi, M. (2000). Redes sociales en el trabajo social. Argentina: Espacio Editorial.

Costa, A. (2004). Exclusões sociais. Lisboa: Gradiva.

CRIA - Centro Respostas Integradas Aveiro (2012). Resumo de Diagnóstico Álcool e Drogas Concelho de Aveiro. Acedido em 15, março, 2015, In http://www.sicad.pt/BK/Concursos_v2/Documents/C_AV_010.pdf.

Davey, M., Latkin, C., Hua, W., Tobin, K. e Strathdee, S. (2007). Individual and social networks factors that predict entry to drug treatment. The American Jounal on Addictions, 16, 38-45.

El Bassel, N., Chen, D. e Cooper, D. (1998). Social Support and Social Network Profiles among Women on Methadone. Social Service Review, 72(3), 379-491.

EMCDDA (2002). Relatório anual sobre a evolução do fenómeno da droga na União Europeia e Noruega. Acedido em 13, outubro, 2016. In http://ar2002.emcdda.europa.eu/pt/page58-pt.html.

Fernandes, L., Pinto, M. e Oliveira, M. (2006). Caracterização e análise crítica das práticas de redução de riscos na área das drogas em Portugal. Toxicodependências 12(2), 71-82.

Garmendia, M., Alvarado, M., Montenegro, M. e Pino, P. (2008). Importancia del apoyo social en la permanência de la abstinência del consumo de drogas. Revista Médica Chile, 136, 169-178. DOI: doi:10.4067/S0034-98872008000200005.

Godinho, R. (2007). Estudo comparativo entre uma população toxicodependente sem-abrigo e uma população toxicodependente domiciliada aspetos psicossociais e psicopatológicos. Toxicodependências, 13(3), 3-14.

Guadalupe, S. (2009). Intervenção em rede: Serviço social, sistémica e redes de suporte social, Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. doi: http://sci-hub.cc/10.14195/978-989-26-0866-2.

Guay, J. (1984). L’intervenant professionnel face à l’aide naturelle. Montréal: Gaëtan Morin.

Lacroix, J. (1990). L’individu, sa famille et son réseau: les therápies familiales systémiques. Paris: ESF.

Leandro, M. e Ferreira, L. (2011). Os laços sociais em questão. Metamorfoses sociais, metamorfoses de uma nação. In M. Leandro (coord.). Laços familiares e sociais (pp. 27-57). Viseu: Psicossoma.

Ló, A. (2011). Integração social e estratégias de mediação. Toxicodependências, 17(1), 53-60.

López, S. A. (2010). Estrategias para la diversificación de la red personal de personas drogodependientes en processo de reinserción. REDES - Revista Hispana Para El Análisis de Redes Sociales, 18(7), 163-182.

Matias, M. e Fernandes, L. (2009). Desarrumar o medo…O arrumador de carros como figura do medo na cidade. Toxicodependências, 15(3), 9-22.

Mericle, A. (2014). The role of social networks in recovery from alcohol and drug abuse. The American Jornal of Drug and Alcohol Abuse, 40(3), 178-180. DOI: doi:10.3109/00952990.2013.875553.

Panebianco, D., Gallupe, O., Carrigton, P. e Colozzi, I. (2016). Personal support networks, social capital, and risk of relapse among individuals treated for substance use issues. International Jornal of Drug Policy, 27, 146-153. doi:10.1016/j.drugpo.2015.09.009.

Paugam, S. (2000). A desqualificação social. In M-H. Soulet (org.). Da não-integração (pp. 107-135). Coimbra: Quarteto.

Pinto, M. e Peixoto, S. (2003). Trabalhos de rua com consumidores de drogas – obstáculos sentidos no norte de Portugal. Toxicodependências, 9(2), 51-60.

Rosa, V. e Guadalupe, S. (2015). A rutura dos laços sociais nas narrativas da pessoa em situação de sem-abrigo. Intervenção Social, 42/45, 171-190.

SICAD – Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (2013). Relatório Anual 2013 – A situação do país em matéria de drogas e toxicodependências. Acedido em 12, dezembro, 2016. In http://www.sicad.pt/BK/Publicacoes/Lists/SICAD_PUBLICACOES/Attachments/72/Relat%C3%B3rioAnual_2013_A_Situa%C3%A7%C3%A3o_do_Pa%C3%ADs_em_mat%C3%A9ria_de_drogas_e_toxicodepend%C3%AAncias.pdf.

Silva, J. A. (2001). As redes sociais e o percurso na toxicodependência: o tratamento como Instrumento de Reinserção. Toxicodependências, 7(1), 23-34.

Sluzki, C. (1996). La red social: frontera de la pratica sistémica. Barcelona: Gedisa Editorial.

Soczka, L. e Nunes, J. (1989). Redes sociais de suporte e etiopatogenia do enfarte de miocárdio em meio urbano. Psicologia, VII(2), 157-166.

Souza, J, Kantorski L., Vasters, G. e Luís, M. (2011). Rede social de usuários de álcool, sob tratamento, em um serviço de saúde mental. Revista Latino-Americana Enfermagem, 19(1), 1-8. DOI: doi:10.1590/S0104-11692011000100019.

Souza, J. e Kantorski, L. (2009). A rede social de indivíduos sob tratamento em um CAPS ad: o ecomapa como recurso. Revista da Escola de Enfermagem USP, 43(2), 373-383. DOI: doi:10.1590/S0080-62342009000200017.

Souza, J., Kantorski, L. e Mielke, F. (2006). Vínculos e redes sociais de indivíduos dependentes de substâncias psicoativas sob tratamento em CAPS AD. Revista Eletrónica Saúde Mental Álcool e Drogas, 2(1), 1-17.

Tracy, E., Min, M., Park, H., Jun, M., Brown, S. e Francis, M. (2016). Personal network structure and substance use in women by 12 months post treatment intake. Journal of Substance Abuse Treatment, 62, 55-61. doi: doi:10.1016/j.jsat.2015.11.002.

Tucker, J., Cheong, J., Chandler, S., Crawford, S. e Simpson, C. (2015). Social networks and substance use among at-risk emerging adults living in disadvantaged urban áreas in the Southern United States: a cross-sectional naturalistic study. Addiction, 110, 1524-1532. doi: doi:10.1111/add.13010.

Vanegas, M.A.Z. (2009). La família, soporte para la recuperación de la adicción a las drogas. CES Psicología, 2(2), 86-94.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2017 Ana Paula Caetano, Sónia Guadalupe

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.