Rede Social de Pessoas com Consumos Aditivos e Dependências

  • Ana Paula Caetano IPSS Florinhas do Vouga
  • Sónia Guadalupe Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade Centro de Investigação Universitário do Instituto Universitário de Lisboa Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra http://orcid.org/0000-0003-4898-3942
Palavras-chave: Consumos aditivos e dependências, Exclusão social, Rede social, Serviço social, Suporte social, Vulnerabilidade social

Resumo

Objetivos: As redes sociais desempenham um papel central na qualidade de vida da pessoa com comportamentos aditivos, determinantes, tanto na manutenção como na compensação e na reabilitação destes comportamentos. Este estudo tem como objetivo caracterizar as redes sociais de pessoas com consumos aditivos e dependências em situação ou risco de exclusão social.

Métodos: Participaram no estudo 30 sujeitos consumidores de substâncias psicoativas, com idades compreendidas entre os 24 e os 65 anos (M ± DP = 43,03 ± 10,10), a maioria do sexo masculino (80,0%), não tendo fonte de rendimentos na maior parte (46,7%) ou sendo apoiados por medidas de política social (53,3%). A maioria tem como substância principal de consumo a heroína (63,3%). Avaliámos as dimensões estrutural, funcional e relacional-contextual das suas redes com o Instrumento de Análise da Rede Social Pessoal.

Resultados: As redes dos inquiridos são constituídas, em média, por 7 elementos, predominando as relações familiares; são fragmentadas, constituídas essencialmente por membros das redes primárias, ainda que as secundárias representem cerca de ¼ dos membros. A reciprocidade e o nível de apoio social percebido são elevados, assim como o apoio emocional e informativo. Os indivíduos inquiridos, na sua maioria, refere ter membros na rede com CAD na rede social (77,0%), relações que ocupam mais de 20,0% do tamanho das redes. Analisámos comparativamente as redes segundo privação material e de abrigo, não tendo emergido diferenças significativas (p > 0,05), ainda que os perfis de rede sugiram diferentes estratégias de ativação do suporte.

Conclusões: O estudo confirma a importância da avaliação da rede social em pessoas com comportamentos aditivos e dependências. A planificação da intervenção social deve integrar as características da rede pertinentes para o suporte na redução do uso abusivo de substâncias e dos riscos associados, assim como para a promoção do bem-estar social e da cidadania. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Ana Paula Caetano, IPSS Florinhas do Vouga

Assistente Social na IPSS Florinhas do Vouga, Aveiro. Licenciada em Serviço Social e Mestre em Psicologia Clínica - ramo de Família e Intervenção Sistémica pelo Instituto Superior Miguel Torga

Sónia Guadalupe, Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade Centro de Investigação Universitário do Instituto Universitário de Lisboa Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra

Professora Auxiliar. Assistente Social. Doutorada em Saúde Mental. Investigadora do Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade (CEPESE). Investigadora Associada do Centro de Investigação Universitário do Instituto Universitário de Lisboa - CIES-IUL (ISCTE). Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal

Referências

Alarcão, M., & Sousa, L. (2007). Rede social pessoal: Do conceito à avaliação [Personal social network: From concept to evaluation]. Psychologica, 44, 353-376. Retrieved from http://hdl.handle.net/10849/96

Andrade, P. V., Carapinha, L., Sampaio, M., Shirley, S., Rodrigues, I., & Silva, M. (2007). Para além do espelho a intervenção de proximidade nas toxicodependências [Beyond the mirror, proximity intervention in drug addiction]. Toxicodependências, 13(2), 9-24. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/RevistaToxicodependencias/Lists/SICAD_Artigos/Attachments/35/2007_02_TXT2.pdf

Barbosa, J. (2011). Enfrentar “novos riscos” e resgatar a cidadania perdida: Práticas de Serviço Social no seio das políticas de redução de danos [Facing "new risks" and rescuing lost citizenship: Social service practices within harm reduction policies]. Toxicodependências, 17(1), 71-84. Retrieved from http://www.scielo.mec.pt/pdf/tox/v17n1/v17n1a08.pdf

Bohnert, A. S. B., Bradshaw, C. P., & Latkin, C. A. (2009). A social network perspective on heroin and cocaine use among adults: Evidence of bidirectional influences. Addiction, 104(7), 1210-1218. https://doi.org/10.1111/j.1360-0443.2009.02615.x

Born, M., & Lionti, A. M. (1996). Familles pauvres et intervention en réseau [Poor families and network intervention]. Paris: L’Harmattan.

Botella, H. C. (2007). Redes de apoyo para la integración social: La família [Support networks for social integration: The family]. Salud e drogas, 7(1), 45-56. Retrieved from http://www.redalyc.org/pdf/839/83970104.pdf

Castel, R. (1998). As metamorfoses da questão social: Uma crônica do salário [The metamorphoses of the social question: A chronicle of wages]. Pertópolis: Vozes.

Cavalcante, L. P., Falcão, R. S. T., Lima H. P., Marinho A. M., Macedo, J. Q., & Braga, V. A. B. (2012). Rede de apoio social ao dependente químico: Ecomapa como instrumental na assistência em saúde [social support net for chemically dependents: Ecomap as instrumental in health assistance]. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste 13(2),321-331. https://doi.org/10.15253/rev%20rene.v13i2.3920

Chadi, M. (2000). Redes sociales en el trabajo social [Social networks in social work]. Buenos Aires: Espacio Editorial. Retrieved from https://www.scribd.com/doc/43275999/Redes-Sociales-en-El-Trabajo-Social

Costa, A. B. (2004). Exclusões sociais [Social exclusions]. Lisboa: Gradiva.

Centro Respostas Integradas Aveiro (2012). Resumo do diagnóstico “álcool e drogas” do concelho de Aveiro [Alcohol and drugs diagnosis summary of the county of Aveiro, Portugal]. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/Concursos_v2/Documents/C_AV_010.pdf

Davey, M. A., Latkin, C. A., Hua, W., Tobin, K. E., & Strathdee, S. (2007). Individual and social networks factors that predict entry to drug treatment. The American Journal on Addictions, 16(1), 38-45. https://doi.org/10.1080/10601330601080057

El-Bassel, N., Chen, D. R., & Cooper, D. (1998). Social support and social network profiles among women on methadone. Social Service Review, 72(3), 379-491. https://doi.org/ 10.1086/515764

Fernandes, L., Pinto, M. S., & Oliveira, M. (2006). Caracterização e análise crítica das práticas de redução de riscos na área das drogas em Portugal [Characterization and critical analysis of risk reduction practices in the drug area in Portugal]. Toxicodependências 12(2), 71-82. Retrieved from http://www.sicad.min-saude.pt/BK/RevistaToxicodependencias/Lists/SICAD_Artigos/Attachments/75/2006_02_TXT8.pdf

Garmendia, M. L., Alvarado, M. E., Montenegro, M., & Pino, P. (2008). Importancia del apoyo social en la permanência de la abstinência del consumo de drogas [Social support as a protective factor of recurrence after drug addiction treatment]. Revista Médica Chile, 136(2), 169-178. https://doi.org/10.4067/S0034-98872008000200005

Godinho, R. (2007). Estudo comparativo entre uma população toxicodependente sem-abrigo e uma população toxicodependente domiciliada: Aspetos psicossociais e psicopatológicos [Estudo comparativo entre uma população toxicodependente sem-abrigo e uma população toxicodependente domiciliada: Aspetos psicossociais e psicopatológicos.]. Toxicodependências, 13(3), 3-14. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/RevistaToxicodependencias/Lists/SICAD_Artigos/Attachments/45/2007_03_TXT1.pdf

Guadalupe, S. (2009). Intervenção em rede: Serviço social, sistémica e redes de suporte social [Network intervention: Social, systemic, and social support networks]. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. https://doi.org/10.14195/978-989-26-0866-2

Guay, J. (1984). L’intervenant professionnel face à l’aide naturelle [The professional speaker facing natural help]. Montréal: Gaëtan Morin.

Lacroix, J. (1990). L’individu, sa famille et son réseau: Les therápies familiales systémiques [The individual, his family and his network: Systemic family therápies]. Paris: ESF editeur.

Leandro, M., & Ferreira, L. (2011). Os laços sociais em questão: Metamorfoses sociais, metamorfoses de uma nação [The social ties in question: Social metamorphoses, metamorphoses of a nation]. In M. E. Leandro (Ed.), Laços familiares e sociais (pp. 27-57). Viseu: Psicossoma.

Ló, A. (2011). Integração social e estratégias de mediação [Social integration and mediation strategies]. Toxicodependências, 17(1), 53-60. Retrieved from http://www.scielo.mec.pt/pdf/tox/v17n1/v17n1a06.pdf

López, S. A. (2010). Estrategias para la diversificación de la red personal de personas drogodependientes en processo de reinserción [Strategies for the diversification of the personal network of drug addicts in the process of reintegration]. Revista Hispana Para el Análisis de Redes Sociales, 18(7), 163-182. Retrieved from http://revistes.uab.cat/redes/article/view/v18-n1-arranz/392-pdf-es

Matias, M., & Fernandes, L. (2009). Desarrumar o medo … o arrumador de carros como figura do medo na cidade [Dishevel fear ... the usher of cars as a figure of fear in the city]. Toxicodependências, 15(3), 9-22. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/RevistaToxicodependencias/Lists/SICAD_Artigos/Attachments/478/02_Toxico_n3_2009.pdf

Mericle, A. (2014). The role of social networks in recovery from alcohol and drug abuse. The American Journal of Drug and Alcohol Abuse, 40(3), 178-180. https://doi.org/10.3109/00952990.2013.875553

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência. (2002). Relatório anual sobre a evolução do fenómeno da droga na União Europeia e Noruega [2002 Annual report on the state of the drugs problem in the European Union and Norway]. Retrieved from http://ar2002.emcdda.europa.eu/pt/page58-pt.html

Panebianco, D., Gallupe, O., Carrigton, P. J., & Colozzi, I. (2015). Personal support networks, social capital, and risk of relapse among individuals treated for substance use issues. International Journal of Drug Policy, 27, 146-153. https://doi.org/10.1016/j.drugpo.2015.09.009

Paugam, S. (2000). A desqualificação social [Social disqualification]. In M-H. Soulet (Ed.), Da não-integração (pp. 107-135). Coimbra: Quarteto.

Pinto, M. S., & Peixoto, S. S. (2003). Trabalhos de rua com consumidores de drogas - Obstáculos sentidos no norte de Portugal [Street works with drug users - Obstacles felt in the North of Portugal]. Toxicodependências, 9(2), 51-60. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/RevistaToxicodependencias/Lists/SICAD_Artigos/Attachments/178/2003_02_TXT5.pdf

Rosa, V., & Guadalupe, S. (2015). A rutura dos laços sociais nas narrativas da pessoa em situação de sem-abrigo. Intervenção Social, 42/45, 171-190. Retrieved from https://www.researchgate.net/publication/281063714_A_rutura_dos_lacos_sociais_nas_narrativas_da_pessoa_em_situacao_de_sem-abrigo

Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências. (2013). Relatório Anual 2013 - A situação do país em matéria de drogas e toxicodependências [Annual Report 2013 - The country's situation with regard to drugs and drug addiction]. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/Publicacoes/Lists/SICAD_PUBLICACOES/Attachments/72/Relat%C3%B3rioAnual_2013_A_Situa%C3%A7%C3%A3o_do_Pa%C3%ADs_em_mat%C3%A9ria_de_drogas_e_toxicodepend%C3%AAncias.pdf

Silva, J. A. S. (2001). As redes sociais e o percurso na toxicodependência: O tratamento como instrumento de reinserção [Social networks and the path in drug addiction: Treatment as an instrument of reintegration]. Toxicodependências, 7(1), 23-34. Retrieved from http://www.sicad.pt/BK/RevistaToxicodependencias/Lists/SICAD_Artigos/Attachments/198/2001_01_TXT3.pdf

Sluzki, C. E. (1996). La red social: Frontera de la prática sistemica [The social network: Border of systemic practice]. Barcelona: Gedisa Editorial.

Soczka, L. & Nunes, J. (1989). Redes sociais de suporte e etiopatogenia do enfarte de miocárdio em meio urbano [Social support networks and etiopathogenesis of myocardial infarction in urban settings]. Psicologia, VII(2), 157-166.

Souza, J., Kantorski L. P., Vasters, G. P., & Luís, M. A. V. (2011). Rede social de usuários de álcool, sob tratamento, em um serviço de saúde mental [The social network of alcohol users undergoing treatment in a mental health service]. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(1), 1-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000100019

Souza, J., & Kantorski, L. P. (2009). A rede social de indivíduos sob tratamento em um CAPS ad: O ecomapa como recurso [The social network of individuals under treatment at a psychosocial care center for alcohol and drugs (CAPS ad): The ecomap as a resource]. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(2), 373-383. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000200017

Souza, J., Kantorski, L. P., & Mielke, F. B. (2006). Vínculos e redes sociais de indivíduos dependentes de substâncias psicoativas sob tratamento em CAPS AD [Bonds and social networks among individuals dependent on psychoactive substances under treatment at a CAPS AD]. Revista Eletrónica Saúde Mental Álcool e Drogas, 2(1), 1-17. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v2i1p01-17

Tracy, E. M., Min, M. O., Park, H., Jun, M., Brown, S., & Francis, M. W. (2016). Personal network structure and substance use in women by 12 months post treatment intake. Journal of Substance Abuse Treatment, 62, 55-61. https://doi.org/10.1016/j.jsat.2015.11.002

Tucker, J. A., Cheong, J., Chandler, S. D., Crawford, S. M., & Simpson, C. A. (2015). Social networks and substance use among at-risk emerging adults living in disadvantaged urban areas in the southern United States: A cross-sectional naturalistic study. Addiction, 110(9), 1524-1532. https://doi.org/10.1111/add.13010

Vanegas, M. A. Z. (2009). La família, soporte para la recuperación de la adicción a las drogas [Family, recovery support for drug addiction disease]. Revista CES Psicología, 2(2), 86-94. Retrieved from http://revistas.ces.edu.co/index.php/psicologia/article/view/355/586

Publicado
2017-02-28
Como Citar
Caetano, A., & Guadalupe, S. (2017). Rede Social de Pessoas com Consumos Aditivos e Dependências. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 3(1), 14-26. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.1.44
Secção
Artigo Original