Uma análise das motivações dos voluntários nas Associações Humanitárias de Bombeiros

Resumo

Objetivos: Identificar os fatores que motivam os bombeiros para o voluntariado, em Portugal, e perceber de que forma as características dos voluntários, nomeadamente, no que dizem respeito ao sexo, idade, grau de escolarização, rendimento e anos de voluntariado, podem influenciar os tipos de motivação.

Metodologia: Participaram no estudo 126 bombeiros voluntários de duas Associações Humanitárias, com uma idade média de 36,06 anos (DP = 12,46), a maioria dos participantes pertence ao sexo masculino (n = 84; 66,7%), são solteiros/as (n = 53; 42,1%), têm como habilitações o ensino secundário (n = 74; 58,7%), 83 (65,9%) auferem um rendimento mensal compreendido entre os 500€ e os 1000€ e encontram-se há mais de dez anos na respetiva Associação como voluntários (n = 66; 52,4%). Os instrumentos utilizados foram um questionário de caracterização sociodemográfica e uma escala composta por 17 afirmações elaborada por Anne Ward e Donal Mckillop (2011).

Resultados: A escala apresenta boas caraterísticas psicométricas (α de Cronbach = 0,83). É nos “Resultados” que obtemos os valores médios mais elevados e mais baixos — indicador “Altruísta - K” (M = 6,27; DP = 1,10) versus “Necessidades - Q” (M = 4,23; DP = 2,39). Na análise das variáveis motivacionais, segundo as características sociodemográficas, verificamos que os indicadores que apresentam maior número de diferenças, estatisticamente significativas, são o “Egoísta” do “Capital humano” (H), o “Altruísta” (K, L, M) e a “Necessidade” (O) dos “Resultados”.

Discussão e Conclusões: Os resultados globais do nosso estudo mostram que o altruísmo é o fator dominante na explicação do comportamento dos bombeiros voluntários, o que é consistente com investigações anteriores sobre a motivação para o voluntariado. Todavia, quando desagregamos a análise através das características dos voluntários, os resultados nem sempre coincidem com aqueles que se encontram na literatura. O contexto sociocultural e as especificidades da própria atividade dos bombeiros voluntários podem ser responsáveis pelas diferenças encontradas. Serão precisos mais estudos comparativos a nível internacional e que tenham em conta as características específicas da atividade dos bombeiros voluntários, nomeadamente a questão do risco. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andersen, K. (2003). Student volunteers: Why hospitals must invest in their futures. International Journal of Health Care Quality Assurance Incorporating Leadership in Health Services, 16(2), 6-13. [Google Scholar] [CrossRef]

Andreoni, J., & Vesterlund, L. (2001). Which is the fair sex? Gender differences in altruism. Quarterly Journal of Economics, 116(1), 293-312. [Google Scholar] [CrossRef]

Clary, E. G., Snyder, M., & Stukas, A. A. (1996). Volunteers’ motivations: Findings from a national survey. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 25(4), 485-505. [Google Scholar] [CrossRef]

Detollenaere, J., Willems, S., & Baert, S. (2017). Volunteering, income and health. PLoS ONE, 12(3), 10-1371. [Google Scholar] [CrossRef]

Eckel, C. C., & Grossman, P. J. (1998). Are women less selfish than men? Evidence from dictator experiments. Economic Journal, 108(448), 726-735. [Google Scholar] [CrossRef]

Gneezy, U., Leonard, K. L., & List, J. A. (2009). Gender differences in competition: Evidence from a matrilineal society. Econometrica, 77(5), 1637-1664. [Google Scholar] [CrossRef]

Gong, B., Yan, H., & Yang, C. L. (2015). Gender differences in the dictator experiment: Evidence from the matrilineal Mosuo and the patriarchal Yi. Experimental Economics, 18(2), 302-3013. [Google Scholar] [CrossRef]

Hackl, F., Halla, M., & Pruckner, G. J. (2007). Volunteering and income: The fallacy of the good samaritan. Kyklos, 60(1), 77-104. [Google Scholar] [CrossRef]

Honório, M. D. (2011). Cabra-macho, sim senhor! Um estudo sobre a masculinidade no Nordeste do Brasil [Cabra-macho, yes sir! A study on masculinity in the Northeast of Brazil]. Paper presented at the XV Congresso Brasileiro de Sociologia, Curitiba. [Google Scholar] [URL]

INE - Instituto Nacional de Estatística. (2017). Portal das estatísticas [Statistics Portugal]. [URL]

Jäger, U., Kreutzer, K., & Beyes, T. (2009). Balancing acts: NPO-leadership and volunteering. Financial Accountability & Management, 25(1), 79-97. [Google Scholar] [CrossRef]

Madaran, P., & Caterrall, M. (2000). Bridging the knowledge divide: Issues on the feminization of marketing practice. Journal of Marketing Management, 16(6), 635-646. [Google Scholar] [CrossRef]

Nichols, G., & Ralston, R. (2016). Talking ‘bout my generation: Generational differences in the attitudes of volunteers at the 2012 Olympic Games. Voluntary Sector Review, 7(2), 127-147. [Google Scholar] [CrossRef]

Okun, M. A., & Scultz, A. (2003). Age and motives for volunteering: Testing hypotheses derived from socioemotional selectivity theory. Psychology and Aging, 18(2), 231-239. [Google Scholar] [CrossRef]

Peterson, D. K. (2004). Recruitment strategies for encouraging participation in corporate volunteer programs. Journal of Business Ethics, 49(4), 371-386. [Google Scholar] [CrossRef]

Themudo, N. S. (2009). Gender and the nonprofit sector. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 38(4), 663-683. [Google Scholar] [CrossRef]

Publicado
2017-09-29
Como Citar
Almeida, V., Daniel, F., & Fernandes, H. (2017). Uma análise das motivações dos voluntários nas Associações Humanitárias de Bombeiros. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 3(2), 42-51. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.2.61
Secção
Artigo Original