Atitudes face à doação de gâmetas e gestação de substituição

Palavras-chave: Obtenção de tecidos e órgãos, Gestação de substituição, Conhecimentos, atitudes e prática em saúde

Resumo

Objetivo: A parentalidade constitui-se como um desejo comum a muitos indivíduos, mas em alguns casos a sua concretização implica o recurso a técnicas de reprodução medicamente assistida, como a doação de gâmetas ou a gestação de substituição. Em virtude da escassez de estudos sobre atitudes face à doação/receção de gâmetas e gestação de substituição, este estudo pretendeu explorar as atitudes de indivíduos em idade reprodutiva relativamente a estas técnicas.

Métodos: Participaram 551 sujeitos com idades entre os 18 e os 40 anos, recrutados através de amostragem por bola de neve. Foi solicitado o preenchimento de um questionário desenvolvido especificamente para o estudo, disponibilizado numa plataforma online, que avaliou o posicionamento dos sujeitos face à doação/receção de gâmetas e gestação de substituição.

Resultados: A maioria dos participantes revelou uma atitude positiva perante a doação/receção de gâmetas. No caso da doação a principal motivação indicada foi a de ajudar um casal que não pode ter filhos. Relativamente à receção de gâmetas, os dados sugerem tratar-se de uma circunstância bem aceite pelos participantes. Já no que se refere à gestação de substituição, ainda que exista um posicionamento favorável à sua legalização, nem todos os participantes considerariam essa possibilidade, ainda que aqueles que a equacionariam refiram que se sentiriam felizes por concretizar o sonho de se tornar mãe/pai.

Conclusões: Na globalidade, a receção/doação de gâmetas é vista de um modo favorável. Aspetos como realizar o desejo de parentalidade e poder cuidar de uma criança desde o seu nascimento são relevantes, sugerindo uma menor valorização da componente genética. Por sua vez a doação de gâmetas parece relacionar-se com motivações altruístas, podendo ser potenciada com a existência de aconselhamento. A complexidade da gestação de substituição poderá contribuir para a existência de uma menor abertura, ainda que os sujeitos estejam de acordo com a sua legalização em Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 225/2018 de 7 de maio. Diário da República n.º 87/2018, Série I. Lisboa: Tribunal Constitucional. [URL]

Allan, H., & Mounce, G. (2015). Managing infertility in primary care. Practice Nursing, 26(9), 440–443. [Google Scholar] [CrossRef]

Boivin, J., Bunting, L., Collins, J. A., & Nygren, K. G. (2007). International estimates of infertility prevalence and treatment-seeking: Potential need and demand for infertility medical care. Human Reproduction, 22(6), 1506–1512. [Google Scholar] [CrossRef]

Dar, S., Lazer, T., Swanson, S., Silverman, J., Wasser, C., Moskovtsev, … Librach, C. L. (2015). Assisted reproduction involving gestational surrogacy: An analysis of the medical, psychosocial and legal issues: experience from a large surrogacy program. Human Reproduction, 30(2), 345–352. [Google Scholar] [CrossRef]

De Geyter, C., Calhaz-Jorge, C., Kupka, M. S., Wyns, C., Mocanu, E., Motrenko, T., … Goossens, V. (2018). ART in Europe, 2014: Results generated from European registries by ESHRE. Human Reproduction, 33(9), 1586–1601. [Google Scholar] [CrossRef]

Decreto-Lei n.º 32/2006 de 26 de julho. Diário da República n.º 143/2006, Série I. Lisboa: Assembleia da República. [URL]

ESHRE Task Force on Ethics and Law. (2002). Gamete and embryo donation. Human Reproduction, 17(5), 1407–1408. [Google Scholar] [URL]

Goldfarb, J. M., Austin, C., Peskin, B., Lisbona, H., Desai, N., & de Mola, J. R. L. (2000). Fifteen years experience with an in-vitro fertilization surrogate gestational pregnancy programme. Human Reproduction, 15(5), 1075–1078. [Google Scholar] [CrossRef]

Golombok, S., Blake, L., Casey, P., Roman, G., & Jadva, V. (2013). Children born through reproductive donation: A longitudinal study of psychological adjustment. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 54(6), 653–660. [Google Scholar] [CrossRef]

Gouveia, J., Galhardo, A., Cunha, M., & Couto, M. (2017). Gestação de substituição: aspetos psicológicos – Uma revisão da literatura. Psicologia, Saúde & Doenças, 18(1), 248–262. [Google Scholar] [CrossRef]

Hendriks, S., Peeraer, K., Bos, H., Repping, S., & Dancet, E. A. F. (2017). The importance of genetic parenthood for infertile men and women. Human Reproduction, 32(10), 2076-2087. [Google Scholar] [CrossRef]

Lampic, C., Svanberg, A. S., Karlström, P., & Tydén, T. (2006). Fertility awareness, intentions concerning childbearing and attitudes towards parenthood among female and male academics. Human Reproduction, 21(2), 558–564. [Google Scholar] [CrossRef]

Lei n.º 25/2016 de 22 de agosto. Diário da República n.º 160/2016, Série I. Lisboa: Assembleia da República. [URL]

Marôco, J. (2010). Análise estatística com o PASW Statistics (ex-SPSS). Pêro Pinheiro: ReportNumber. [URL]

Nahata, L., Stanley, N., & Quinn, G. (2017). Gamete donation: Current practices, public opinion, and unanswered questions. Fertility and Sterility, 107(6), 1298–1299. [Google Scholar] [CrossRef]

Nouri, K., Huber, D., Walch, K., Promberger, R., Buerkle, B., Ott, J., & Tempfer, C. B. (2014). Fertility awareness among medical and non-medical students: A case-control study. Reproductive Biology and Endocrinology, 12(1), 1–9. [Google Scholar] [CrossRef]

Pennings, G., Ravel, C., Girard, J. M., Domin-Bernhard, M., & Provoost, V. (2018). Attitude towards reciprocity as a motive for oocyte donation. European Journal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology, 225, 194-198. [Google Scholar] [CrossRef]

Provoost, V., Van Rompuy, F., & Pennings, G. (2018). Non-donors’ attitudes towards sperm donation and their willingness to donate. Journal of assisted reproduction and genetics, 35(1), 107-118. [Google Scholar] [CrossRef]

Rovei, V., Gennarelli, G., Lantieri, T., Casano, S., Revelli, A., & Massobrio., M. (2010). Family planning, fertility awareness and knowledge about Italian legislation on assisted reproduction among Italian academic students. Reproductive Biomedicine Online, 20(7), 873–879. [Google Scholar] [CrossRef]

Salama, M., Isachenko, V., Isachenko, E., Rahimi, G., Mallmann, P., Westphal, L. M., ... & Patrizio, P. (2018). Cross border reproductive care (CBRC): a growing global phenomenon with multidimensional implications (a systematic and critical review). Journal of Assisted Reproduction and Genetics, 35(7), 1277-1288. [Google Scholar] [CrossRef]

Silva-Carvalho, J. L., & Santos, A. (2009). Estudo Afrodite: Caracterização da infertilidade em Portugal – Estudo na comunidade (Vol. 1, pp. 9–73). Porto: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. [Google Scholar]

Söderström-Anttila, V., Wennerholm, U.-B., Loft, A., Pinborg, A., Aittomäki, K., Romundstad, L. B., & Bergh, C. (2016). Surrogacy: Outcomes for surrogate mothers, children and the resulting families – A systematic review. Human Reproduction Update, 22(2), 260–276. [Google Scholar] [CrossRef]

Yamamoto, N., Hirata, T., Izumi, G., Nakazawa, A., Fukuda, S., Neriishi, K., ... Osuga, Y. (2018). A survey of public attitudes towards third-party reproduction in Japan in 2014. PLoS ONE, 13(10), e0198499. [Google Scholar] [CrossRef]

Zegers-Hochschild, F., Adamson, G. D., Dyer, S., Racowsky, C., de Mouzon, J., Sokol, R., … van der Poel, S. (2017). The international glossary on infertility and fertility care. Fertility and Sterility, 108(3), 393–406. [Google Scholar] [CrossRef]

Publicado
2019-03-01
Como Citar
Carolino, N., Galhardo, A., & Cunha, M. (2019). Atitudes face à doação de gâmetas e gestação de substituição. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 5(1), 87-98. https://doi.org/10.31211/rpics.2019.5.1.119
Secção
Artigo Original