Ajustamento Mental ao Cancro do Pulmão: o papel da autocompaixão e do suporte social

Rute Batista, Marina Cunha, Ana Galhardo, Margarida Couto

Resumo


Objetivo: É bem conhecido o impacto que o diagnóstico de uma doença oncológica tem ao nível do ajustamento psicológico em doentes com cancro do pulmão. Por outro lado sabe-se que a sintomatologia depressiva pode, também, sobrepor-se aos sintomas físicos do cancro e tratamento oncológico, o que dificulta a sua deteção e adequada abordagem terapêutica.

O presente trabalho pretende explorar em que medida a autocompaixão e o suporte social são preditores do ajustamento mental e estados afetivos negativos em doentes com cancro do pulmão.

 

Método: A amostra é constituída por 55 indivíduos (38 homens e 17 mulheres) diagnosticados com cancro do pulmão e com idades compreendidas entre os 44 e os 87 anos. Como instrumentos de medida foram utilizadas a Escala de Ajustamento Mental ao Cancro (MiniMac), a Escala de Autocompaixão (SELFCS), a Escala de Satisfação com o Suporte Social (ESSS) e a Escala de Ansiedade, Depressão e Stress (EADS-21).

 

Resultados: Foram encontradas correlações significativas entre o ajustamento mental, a psicopatologia e as estratégias de regulação emocional (autocompaixão) e suporte social. Os modelos preditores do ajustamento mental e da sintomatologia associada ao stress incluem dimensões da autocompaixão e o suporte social como variáveis preditoras significativas. Já em relação ao modelo preditor da sintomatologia depressiva, o mindfulness parece ser a única variável com um contributo relevante.

 

Conclusões: Estes resultados têm implicações práticas, sugerindo que estes doentes podem no seu programa terapêutico beneficiar do desenvolvimento deste tipo de estratégias (novas formas de se relacionarem com as suas experiências emocionais e qualidade das suas redes sociais) no sentido de promover um melhor ajustamento mental à sua condição.




DOI: http://dx.doi.org/10.7342/ismt.rpics.2016.2.1.30

Palavras-chave


Cancro do pulmão; Ajustamento mental; Psicopatologia; Autocompaixão; Suporte social

Texto Completo:

PDF

Referências


Alberg, A. J. e Samet, J. M. (2003). Epidemiology of lung cancer. Chest, 123(Supl. 1), 21S–49S. Acedido em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23649439

Alves L, Bastos J. e Lunet N. (2009). Evolução da mortalidade por cancro do pulmão em Portugal (1955-2005). Revista Portuguesa Pneumologia, 15, 575-87.

Baer, R. A. (2003). Mindfulness training as a clinical intervention: A conceptual and empirical review. Clinical Psychology: Science and Practice, 10, 125-143.

Batista, R., Cunha, M., Galhardo, A., Couto, M. e Massano-Cardoso, I. (2015). European Psychiatry, 30 (Supl. 1), 1511-1511. 1p. Doi: 10.1016/S0924-9338(15)31168-8

Bower, M. e Waxman, J. (2006). Compêndio de oncologia. Lisboa: Instituto Piaget: Coleção Medicina e saúde.

Brown, K. W. e Ryan, R. M. (2003). The benefits of being present: Mindfulness and its role in psychological well-being. Journal of Personality and Social Psychology, 84(4), 822-848.

Castilho, P. e Pinto-Gouveia, J. (2011). Autocompaixão: Estudo da validação da versão portuguesa da Escala da Autocompaixão e da sua relação com as experiências adversas na infância, a comparação social e a psicopatologia. Psychologica, 54, 203–230.

Custódio, S. (2010). Stress, suporte social, otimismo e saúde em estudantes de enfermagem em ensino clínico. Acedido em http://ria.ua.pt/handle/10773/1122

Domingues, V. e Albuquerque, E. (2008). Cancro do pulmão: Aspetos psicológicos e psiquiátricos. Revista Portuguesa de Pneumologia, XIV, 261–269.

Ferlay J., Shin H. R., Bray F., Forman D., Mathers C. e Parkin D. M. (2008). Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC Cancer Base No. 10 (2). Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2010. Acedido em http://globocan.iarc.fr

Kline, R. B. (2005). Principles and Practice of Structural Equation Modeling (2ª ed.). New York: Guilford.

Leary, M. R., Tate, E. B., Adams, C. E., Allen, A. B. e Hancock, J. (2007). Self-compassion and reactions to unpleasant self-relevant events: the implications of treating oneself kindly. Journal of personality and social psychology, 92(5), 887–904. Doi: 10.1037/0022-3514.92.5.887

Lovibond, P. e Lovibond, S. (1995). The structure of negative emotional states: Comparison of the depression anxiety stress scales (EADS) with the Beck Depression and Anxiety Inventories. Behaviour Research and Therapy, 33(3), 335-343.

Marques, A. R., Santos, G., Firmino, H., Santos, Z., Vale, L. … Morais, I. (1991). Reações emocionais à doença grave: Como lidar… Coimbra. Edição Psiquiatria Clínica.

Neff, K. D. (2003a). The development and validation of a scale to measure self-compassion. Self and Identity, 2, 223-250. Doi:10.1080/15298860390209035

Neff, K. (2003b). Self-compassion: An alternative conceptualization of a healthy attitude toward oneself. Self and Identity, 2, 85–101. Doi:10.1080/15298860390129863

Neff, K. D. e Costigan, A. P. (2014). Self-compassion, well-being, and happiness. Psychologie in Österreich, 114-117.

Neff, K. D., Kirkpatrick, K. e Rude, S. S. (2007). Self-compassion and its link to adaptive psychological functioning. Journal of Research in Personality, 41, 139-154.

Neff, K. D., Rude, S. S. e Kirkpatrick, K. (2007). An examination of self-compassion in relation to positive psychological functioning and personality traits. Journal of Research in Personality, 41, 908-916.

Ogden, J. (1999). Psicologia da saúde. Lisboa: Climepsi Editores.

Pais-Ribeiro, J. L. (1999). Escala de satisfação com o suporte social. Análise Psicológica, 3(12), 547-558.

Pais-Ribeiro, J., Honrado, A. e Leal, I. (2004). Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de Depressão Ansiedade Stress de Lovibond e Lovibond. Psychologica, 36, 235-246.Pais-Ribeiro, J. L., Ramos, D. e Samico, S. (2003). Contribuição para uma validação conservadora da escala reduzida de ajustamento mental ao cancro (Mini-MAC). Psicologia, Saúde e Doenças, 4(2), 231-247.

Parente, B., Barata, F. J., Neto, I. G. e Costa, A. (2002). Cancro do pulmão — O doente terminal. Revista Portuguesa de Pneumologia, VIII(4), 351–372.

Parente, B., Queiroga, H., Teixeira, E., Sotto-Mayor, R., Barata, F., Sousa, A. … Araújo, A. (2007). Estudo epidemiológico do cancro do pulmão em Portugal nos anos de 2000/2002. Revista Portuguesa de Pneumologia, 13(2), 255–265. Acedido em http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=S087321592007000200005&script=sci_arttext

Pereira, M. e Lopes, C. (2005). O doente oncológico e sua família. (2ª ed.) Manuais Universitários: Climepsi.

Pinto-Gouveia, J., Duarte, C., Matos, M. e Fráguas, S. (2013). The Protective Role of Self-compassion in Relation to Psychopathology Symptoms and Quality of Life in Chronic and in Cancer Patients. Clinical Psychology & Psychotherapy, 21(4), 311-323. doi:10.1002/cpp.1838

Ribeiro, J. (1999). Escala de satisfação com o suporte social (ESSS). Análise Psicológica, 3(17), 547–558. Acedido em http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=S087082311999000300010&script=sci_arttext

Rodrigues, J. e Ferreira, N. (2012). Estrutura e funcionalidade da rede de apoio social do adulto com câncer. Acta Paulista de Enfermagem, 25(5), 781–787. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n5/21.pdf

Santos, C. e Pais-Ribeiro, J. (2001). Qualidade de vida do doente oncológico- Revisão da bibliografia. Referência, 7, 5-16;

Santos, C. S. V. de B., Ribeiro, J. P. e Lopes, C. (2003). Estudo de adaptação da Escala de Satisfação com o Suporte Social (ESSS). Psicologia, Saúde & Doenças, 4(2), 185–204.

Stewart, M., Craig, D., MacPherson, K. e Alexander, S (2001). Promoting positive affect and diminishing loneliness of widowed seniors through a support intervention. Public Health Nursing, 18(1), 54-63.

Stommel, M., Kurtz, M. E., Kurtz, J., Given, C. W. e Given, B. A.. (2004). A longitudinal analysis of the course of depressive symptomatology in geriatric patients with cancer of the breast, colon, lung or prostate. Health Psychology, 23(6), 564-573.

Straub, R. (2005). Psicologia da saúde. Porto Alegre: Artes Médicas.

Tabachnick, B. e Fidell, L. (2007). Using multivariate statistics. New York: Pearson Education Inc.

Usta, Y. Y. (2012). Importance of Social Support in Cancer Patients. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 13(1976), 3569–3572.

Watson, M., Law, M., Santos, M., Greer, S., Baruch, J. e Bliss, J. (1994). The mini-MAC: Further development of the mental adjustment to cancer scale. Journal of Psychosocial Oncology, 12(3), 33-46.

Zamboni, M. (2002). Epidemiologia do câncer do pulmão. Jornal Pneumologia, 28(1), 41–47. Acedido em http://www.scielo.br/pdf/%0D/jpneu/v28n1/a08v28n1.pdf


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2016 Rute Batista, Marina Cunha, Ana Galhardo, Margarida Couto

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.