Validação do Youth Quality of Life Instrument (YQOL-R) para a população portuguesa

Resumo

Objetivo: É incontornável o estatuto que o conceito de qualidade de vida assume hoje na prática e políticas de saúde pública. Na infância e adolescência é ainda escassa a investigação, tornando-se crucial o desenvolvimento de instrumentos de qualidade vida relacionada com a saúde validados para esta população. O presente trabalho tem como objetivo fundamental analisar as qualidades psicométricas e validar a versão portuguesa do Youth Quality of Life (YQOL-R).

Métodos: A amostra é constituída por 507 adolescentes, com idades compreendidas entre os 12 e os 19 anos (M = 15,74; DP = 1,62), a frequentar o 3.º ciclo do ensino básico e ensino secundário de escolas públicas do ensino regular. Para além do citado instrumento a validar, os jovens preencheram também, para a análise da validade convergente e divergente, o Kidscreen-27 e a Escala da Depressão, Ansiedade e Stresse (EADS-21).

Resultados: O YQOL-R apresenta uma estrutura fatorial de quatro fatores, semelhantes à versão original americana (individual, relações sociais, ambiente e qualidade de vida em geral). Possui uma boa consistência interna e uma adequada estabilidade temporal. Mostrou correlações significativas e no sentido esperado com as variáveis em estudo. Foram igualmente encontradas diferenças entre sexos em relação à qualidade de vida, sendo os rapazes a reportarem em média níveis mais elevados de perceção da qualidade de vida, comparativamente às raparigas.

Conclusões: Futuros estudos devem ser realizados em amostras clínicas para confirmação dos dados. Não obstante esta limitação, o presente estudo contribuiu para a disponibilização de um novo instrumento para avaliação da qualidade de vida em crianças e adolescentes, o qual evidenciou boas propriedade psicométricas, apoiando, assim empiricamente, a sua utilização nas práticas de saúde e investigação em amostras da comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Sara Mendes, Instituto Superior Miguel Torga

Mestre em Psicologia Clínica pelo Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Marina Cunha, Instituto Superior Miguel Torga, Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenções Cognitivo-comportamentais

Professora Auxiliar e coordenadora do curso do 2º ciclo de Psicologia Clínica, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal. Investigadora, Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental, Universidade de Coimbra. Psicóloga clínica.

Ana Xavier, Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenções Cognitivo-comportamentais

Mestre Psicologia Clínica e Saúde, Universidade de Coimbra, Portugal. Estudante de doutoramento em Psicologia Clínica, Universidade de Coimbra. 

Margarida Couto, Instituto Superior Miguel Torga
 

Professora auxiliar, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

 

Ana Galhardo, Instituto Superior Miguel Torga, Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenções Cognitivo-comportamentais

Professora Auxiliar e coordenadora do curso do 1º ciclo de Psicologia, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal. Investigadora, Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental, Universidade de Coimbra. Psicóloga clínica.

Referências

Cohen, J. (1992). Statistical power analysis for the behavioural sciences. Hillsdale, N. J.: Lawrence Erlbaum Associates. [Google Scholar]

Costello, A. B., & Osborne, J. W. (2005). Best practices in exploratory factor analysis: Four recommendations for getting the most from your analysis. Practical Assessment, Research & Evaluation, 10(7), 1-9. [Google Scholar] [URL]

Cummins, R. A. (2000). Objective and subjective quality of life: An interactive model. Social indicators research, 52(1), 55–72. [Google Scholar] [CrossRef]

Cummins, R. A. (2005). Moving from the quality of life concept to a theory. Journal of Intellectual Disability Research, 49(10), 699–706. [Google Scholar] [CrossRef]

Cunha, M., Xavier, A., & Pinto-Gouveia, J. (2011). A versão portuguesa do Youth Quality Of Life Instrument — research version (YQOL-R) [Portuguese version of the youth quality of life instrument — research version] (Manuscrito não publicado). Coimbra, CINEICC, FPCE da Universidade de Coimbra.

Diener, E. (2000). Subjective well-being: The science of happiness and a proposal for a national index. American Psychologist, 55(1), 34–43. [Google Scholar] [CrossRef]

Edwards, T. C., Huebner, C. E., Connell, F. A., & Patrick, D. L. (2002). Adolescent quality of life, part I: Conceptual and measurement model. Journal of Adolescence, 25(3), 275-286. [Google Scholar] [CrossRef]

Ferraz, R. B., Tavares, H., & Zilberman, M. L. (2007). Felicidade: uma revisão [Happiness: A Review]. Revista de Psiquiatria Clínica, 34(5), 234-242. [Google Scholar] [CrossRef]

Fuh, J.-L., Wang, S.-J., Lu, S.-R., & Juang, K.-D. (2005). Assessing quality of life for adolescents in Taiwan. Psychiatry and Clinical Neurosciences, 59(1), 11–18. [Google Scholar] [CrossRef]

Gaspar, T., & Matos, M.G. (2008). Qualidade de vida em crianças e adolescentes —Versão portuguesa dos instrumentos KIDSCREEN-52 [Quality of life in children and adolescents. English version of the KIDSCREEN-52 instrument]. Lisboa: Aventura social e saúde. [Google Scholar]

Hambleton, R. K., Merenda, P. F., & Spielberger, C. D. (2005). Adapting educational and psychological tests for cross-cultural assessment. Mahwah, N.J.: L. Erlbaum Associates. [Google Scholar]

Harding, L. (2001). Children’s quality of life assessments: A review of generic and health related quality of life measures completed by children and adolescents. Clinical Psychology and Psychotherapy, 8(2), 79–96. [Google Scholar] [CrossRef]

Hawthorne, G., Richardson, J., & Osborne, R. (1999). The assessment of quality of life (AQoL) instrument: A psychometric measure of health-related quality of life. Quality of Life Research, 8(3), 209–224. [Google Scholar] [CrossRef]

Hill, M. M., & Hill, A. (2002). Investigação por questionário [Research by questionnaire] (2nd. ed.). Lisboa: Edições Sílabo. [Google Scholar]

International Test Commission. (2010). International Test Commission Guidelines for translating and adapting tests. [Google Scholar] [URL]

Kline, R. B. (2005). Principles and practice of structural equation modeling. New York: Guilford. [Google Scholar]

Lima, L., Guerra, M., & Lemos, M. (2009). Adaptação da escala genérica do Inventário Pediátrico de Qualidade de vida – Pediatric Quality of Life Inventory 4.0 - PedsQL, a uma população portuguesa. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 8, 83-95. [Google Scholar]

Lovibond, P., & Lovibond, S. (1995). The structure of negative emotional states: comparison of the depression anxiety stress scales (DASS) with the Beck depression and anxiety inventories. Behaviour Research and Therapy, 33(3), 335-343. [Google Scholar] [CrossRef]

Marôco, J. (2010). Análise estatística: com utilização do SPSS [Statistical analysis with use of SPSS]. Lisboa: Edições Sílabo. [Google Scholar]

Meuleners, L. B., Lee, A. H., Binns, C. W., & Lower, A. (2003). Quality of life for adolescents: assessing measurement properties using structural equation modelling. Quality of Life Research, 12(3), 283–290. [Google Scholar] [CrossRef]

Pais-Ribeiro, J. L. (2003). Quality of life is a primary end-point in clinical settings. Clinical Nutrition, 23(1), 121-130. [Google Scholar] [CrossRef]

Pais-Ribeiro, J. L., Honrado, A., & Leal, I. (2004). Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de ansiedade, depressão e stresse (EADS) de 21 itens de Lovibond e Lovibond [A study of depression, anxiety and stress scale - children (EADS-C)]. Psicologia, Saúde e Doença, 5(2), 229-239. [Google Scholar]

Pallant, J. (2010). SPSS Survival Manual: A step by step guide to data analysis using SPSS. New York: McGraw-Hill Education. [Google Scholar]

Patrick, D. L., Edwards, T. C., & Topolski, T. D. (2002). Adolescent quality of life, part II: Initial validation of a new instrument. Journal of Adolescence, 25(3), 287-300. [Google Scholar] [CrossRef]

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2008). Análise de dados para ciências sociais: A complementaridade do SPSS (5nd. ed.) [Data analysis for social sciences: The complementarity of SPSS]. Lisboa: Edições Sílabo. [Google Scholar]

Ravens-Sieberer, U., Auquier, P., Erhart, M., Gosch, A., Rajmil, L., Bruil, J., Power, M., Duer, W., Cloetta, B., Czemy, L., Mazur, J., Czimbalmos, A., Tountas, Y., Hagquist, C., Kilroe, J., & The European KIDSCREEN Group. (2007). The KIDSCREEN-27 quality of life measure for children and adolescents: psychometric results of a cross-cultural survey in 13 European countries. Quality of Life Research, 16(8), 1347-1356. [Google Scholar] [CrossRef]

Ravens-Sieberer, U., Gosch, A., Abel, T., Auquier, P., Bellach, B. M., Bruil, J., Dur, W., Power, M., Rajmil, L., & European KIDSCREEN Group. (2001). Quality of life in children and adolescents: a European public health perspective. Preventivmed, 46(5), 294-302. [Google Scholar] [CrossRef]

Salum, G. A., Patrick, D. L., Isolan, L. R., Manfro, G. G., & Fleck, M. P. (2012). Youth quality of life instrument-research version (YQOL-R): Psychometric properties in a community sample. Jornal de Pediatria, 88(5), 443-448. [Google Scholar] [CrossRef]

Seidl, E., & Zannon, C. (2004). Qualidade de vida e saúde: aspetos conceituais e metodológicos [Quality of life and health: Conceptual and methodological aspects]. Cadernos de Saúde Pública, 20(2), 580-588. [Google Scholar] [CrossRef]

Wallander, J. L., Schmitt, M., & Koot, H. M. (2001). Quality of life measurement in children and adolescents: issues, instruments and applications. Journal of Clinical Psychology, 57(4), 571-585. [Google Scholar] [CrossRef]

World Health Organization. (1997). WHOQOL measuring quality of life. Geneva: WHO. [Google Scholar]

World Health Organization. (1998). WHOQOL annotated bibliography. Geneva: WHO. [Google Scholar]

Publicado
2015-09-30
Como Citar
Mendes, S., Cunha, M., Xavier, A., Couto, M., & Galhardo, A. (2015). Validação do Youth Quality of Life Instrument (YQOL-R) para a população portuguesa. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 1(2), 58-68. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2015.1.2.24
Secção
Artigo Original